Cuba imuniza atletas pré-olímpicos com sua vacina anticovid em teste

·2 minuto de leitura
Pôster da vacina Soberana 2 contra a covid-19 no Instituto Finlay de Havana, em Cuba, em 20 de janeiro de 2021

Atletas cubanos que buscam uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio começaram a ser imunizados contra a covid-19 esta semana, com uma das vacinas em fase de testes concebidas e desenvolvidas na ilha, informou a imprensa local nesta sexta-feira (26).

"É emocionante ver nossas estrelas do esporte orgulhosamente preparadas para uma vacina cubana contra a #COVID19. Campeões, eles e os criadores das vacinas", disse o presidente Miguel Díaz-Canel no Twitter.

O lutador Mijaín López, vencedor em Pequim-2008, Londres-2012 e Rio-2016, e o boxeador Julio César La Cruz, também campeão nos últimos Jogos, estiveram entre os 115 integrantes das seleções olímpicas de boxe e luta livre, seus treinadores e profissionais de saúde imunizados na quinta-feira, como parte de um amplo estudo de intervenção populacional da vacina em Havana, segundo o portal de notícias Cubadebate.

O governo pretende iniciar sua campanha nacional de vacinação em junho com um imunizante próprio, que, caso todas as fases dos ensaios sejam concluídas com sucesso, será o primeiro criado inteiramente na América Latina.

Mas as autoridades de saúde começaram esta semana em Havana dois amplos estudos com a Soberana 2, atualmente na terceira e última fase de testes clínicos e a vacina candidata mais avançada do país.

Um desses estudos de intervenção, que ocorrerá entre abril e maio, abrangerá 150 mil profissionais de saúde voluntários, enquanto o outro incluirá 1,7 milhão de habitantes voluntários com idades entre 19 e 80 anos, entre eles os atletas.

A capital, uma das áreas com maior disseminação do vírus na ilha, tem uma população de 2,1 milhões.

"Essa é uma conquista da medicina cubana, dos cientistas. O povo cubano sempre será grato", afirmou La Cruz, tetracampeã mundial.

Ele acrescentou que "o melhor presente para nós atletas, para o pessoal da saúde, será seguir treinando com muita disciplina, chegar a Tóquio e, no meu caso, me tornar bicampeão olímpico de boxe".

O treinador de boxe Rolando Acebal descreveu como "uma honra" que os lutadores tenham sido escolhidos para essa fase de vacinação em meio à "complexa situação" que vive o país e disse que, apesar de não competir há um ano, os atletas irão à eliminatória da Argentina em busca de oito passagens para Tóquio.

O esquema de imunização que será aplicado a todos os atletas cubanos comprometidos com as Olimpíadas terá um intervalo de 28 dias, segundo Ana María Montalvo, subdiretora do Instituto de Medicina do Esporte.

Cientistas cubanos estão desenvolvendo quatro vacinas candidatas contra o coronavírus: Soberana 1 (atualmente na fase 2), Soberana 2 (fase 3), Abdala (fase 3) e Mambisa (fase 1), a última administrada por via nasal.

str/lp/rd/rs/ic/mvv