Cruzem os dedos! Pote 2 da Libertadores é, sim, mais temido que o dos líderes de chave

·1 minuto de leitura

Normalmente, quando chega ao fim a fase de grupos da Libertadores, se faz uma projeção ou outra sobre quais rivais um time não gostaria de pegar logo de cara na fase de oitavas de final. E, por incrível que pareça, dessa vez são as equipes do pote 1 que precisam ter sorte.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

De todos os 16 classificados, os maiores campeões do torneio estão no pote 2: Boca Juniors (6 títulos), River Plate (4 títulos), São Paulo e Olimpia (ambos com 3 títulos).

Do outro lado, Flamengo, Palmeiras e Internacional (cada um com duas taças) são os clubes que mais chegam perto do quarteto. Ou seja, é preciso temer.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em Libertadores, conta muito a história, a tradição, o peso da camisa. Alguém pode dizer, por exemplo, que o Olimpia vem em crise técnica, o que é verdade. No entanto, sua remontada na última rodada do Grupo B é digna de quem sabe jogar essa competição. Já São Paulo e Boca, por exemplo, mesmo na vice-liderança de seus grupos, tiveram duas das defesas menos vazadas da competição.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Logicamente, alguém não vai sair contente do sorteio da próxima terça-feira (1/06). Ao menos um brasileiro terá pela frente um dos clubes citados. A hora é, sim, de cruzar os dedos.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos