Cruzeiro tem negociações avançadas para a venda de um atleta, diz dirigente

Antonio Mota
·2 minuto de leitura

Sem mais chances de acesso ou descenso na Série B de 2020, o Cruzeiro vive um momento extremamente delicado e conturbado. Em forte crise financeira, com salários atrasados e dificuldades para honrar compromissos básicos, a Raposa vê na negociação de atletas o caminho para arrecadar fundos e sanar dívidas.

Questionado sobre o cenário, Sérgio Santos Rodrigues, presidente da Celeste, falou que não há uma previsão para pagar tudo o que está em atraso, mas revelou que existe uma negociação avançada em curso para a venda de um jogador, o que pode abrir os caminhos para os pagamentos. “Existe (negociação encaminhada para a saída de um atleta)”, afirmou, em entrevista à Globo.

Embora tenha afirmado que “existe” uma negociação em curso, o cartola não deu um prazo para o término das tratativas. Porém, conforme informações do ge, o clube tenta fechar os negócios o mais rápido possível, uma vez que precisa do dinheiro para quitar dívidas. Sérgio Santos Rodrigues, inclusive, disse que o Cruzeiro pode ser bem flexível em suas tratativas.

“Isso aí sempre foi claro. Não tem nem prazo. O Cruzeiro está sempre aberto a negociações. Mas não quer dizer, pelo fato de a gente precisar monetizar, até porque temos outras possíveis fontes de renda. Nós não estamos numa situação que possamos dizer que algum jogador é inegociável. Acho que, chegando proposta e justa e válida, ainda que não seja o valor que a gente queira, mas que às vezes o atleta vai para outro time, a gente carrega um percentual e possa ganhar mais depois. A gente está aberto a proposta a qualquer momento”, completou.

E Orejuela?

Orejuela não vai ficar no Cruzeiro. | Pedro Vilela/Getty Images
Orejuela não vai ficar no Cruzeiro. | Pedro Vilela/Getty Images

Um dos principais ativos do Cruzeiro no momento, o lateral-direito Orejuela, que se recupera de lesão muscular, também é um dos atletas que vai deixar a Toca da Raposa II. Aos 25 anos, o colombiano tem um salário acima dos R$ 300 mil mensais, o que é inviável para o clube mineiro.

“Temos outras propostas por ele, estamos analisando. Assim como temos outros atletas. A venda dele é um dos planos que a gente tem para monetizar agora e resolver essa situação”, declarou o mandatário.

Vale destacar que a Celeste comprou 50% dos direitos econômicos do lateral por 1,5 milhão de dólares (R$ 6 milhões, na época) com a ajuda de um parceiro. Questionado, o presidente cruzeirense optou por não falar se o dinheiro da venda do atleta vai ficar com o clube ou voltar para o investidor. “Aí é negociação nossa. Interna”, finalizou.

As informações acima são do ge.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.