Cruzeiro e Minas Arena se pronunciam sobre confusão e efetivo de segurança para o clássico

Valinor Conteúdo
LANCE!
A polícia mineira irá indiciar os irmãos Adrierre e Nathan pelo crime de injúria racial-(Reprodução/Twitter)
A polícia mineira irá indiciar os irmãos Adrierre e Nathan pelo crime de injúria racial-(Reprodução/Twitter)


A confusão entre torcedores do Atlético-MG e do Cruzeiro após o fim do clássico, no domingo, 10 de novembro, no Mineirão, ainda está rendendo repercussões negativas, obrigando tanto o time celeste, quanto a Minas Arena, a se pronunciarem sobre os lamentáveis ocorridos no Gigante da Pampulha, quando um grupo de atleticanos invadiu um espaço destinado a cruzeirenses, onde fica os camarotes do estádio, iniciando uma briga generalizada.

Tanto a segurança do estádio, quanto a PM agiram para conter os brigões, usando vários recursos, inclusive gás de pimenta, o que gerou atendimentos médicos às pessoas que passaram mal.

A Minas Arena emitiu comunicado dizendo que estava com o contingente de seguranças internos adequados para o evento e que não houve qualquer atendimento médico nos postos médico do estádio devido aos atos de violência. Os atendimentos feitos no Mineirão foram de pessoas que se sentiram mal com o gás de pimenta usado pela PM. Veja a nota da Minas Arena abaixo.

No clássico deste domingo(10), entre Cruzeiro e Atlético, infelizmente, aconteceram diferentes focos de confrontos entre torcedores de forma simultânea e em diferentes pontos do estádio. Em todos estes confrontos tiveram atuação da segurança privada e da Polícia Militar, que trabalham de forma compartilhada para garantir a segurança no Mineirão.

Esses confrontos não tiveram relação com o inédito número de faltas no efetivo de homens que trabalham na partida. O setor de segurança do Mineirão trabalhou de forma incessante antes, durante e após a partida para remanejar os profissionais em serviço.

Importante ressaltar que no posto médico do estádio não houve atendimentos decorrentes de contato físico entre torcedores.










O outro organizador da partida, o Cruzeiro, também se posicionou por nota, que irá buscar as medidas cabíveis para punir os atos de vandalismo e violência depois do jogo contra o alvinegro.

O Cruzeiro Esporte Clube lamenta profundamente as cenas de confusão e vandalismo ocorridas no clássico deste domingo, 10 de novembro.

O Clube informa que tomou todas as medidas exigidas de acordo com o Estatuto do Torcedor. Durante a semana, foram feitas reuniões de praxe com representantes de todos os órgãos competentes para garantir a segurança dos torcedores que fossem ao Mineirão e a eles foram repassados todos os cenários para que fosse elaborado o melhor plano de segurança possível.

Cabe ressaltar que o efetivo de policiais envolvidos no evento é determinado pela própria corporação, assim como em relação aos seguranças ligados à Minas Arena, concessionária responsável pelo estádio. No caso dos seguranças, a Minas Arena escolhe o número de profissionais no seu efetivo.

É importante frisar, também, que a segurança no Mineirão e no entorno do estádio são de responsabilidade da Polícia Militar e da equipe de seguranças da Minas Arena, cabendo ao Cruzeiro o pagamento dos custos desta operação.

A confusão se iniciou entre seguranças, policiais e torcedores atleticanos no espaço do setor Roxo Superior destinado à torcida do Clube Atlético Mineiro, nos minutos finais da partida, próximo à tribuna de imprensa.

Minutos depois, a confusão se estendeu para o setor Roxo Inferior, em espaço destinado também para torcedores do Clube Atlético Mineiro, onde um número considerável destes invadiu outros setores destinados a torcedores cruzeirenses, gerando momentos de tensão e apreensão.

O Cruzeiro informa que está providenciando o levantamento de todos os boletins de ocorrências e de imagens de circuito interno de segurança do estádio para que, a partir da identificação dos torcedores envolvidos, possa tomar as medidas cabíveis.















Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também