Cruzeiro dá calote em pai de santo que diz não ser pai de santo; entenda

Goal.com

Dívida com pai de santo, que vai a público negar sua ligação com a umbanda e gera atrito entre ex-dirigentes? Não, não é uma esquete de humor, é o Cruzeiro de 2019 e 2020. Explicamos.

A notícia caiu como uma bomba nas redes sociais, sempre dispostas a tirar sarro de certas situações: segundo Enrico Bruno e Thiago Fernandes, jornalistas da UOL, o Cruzeiro, em crise financeira gravíssima, teria contratado os serviços de um pai de santo por R$ 10 mil e dado calote. De acordo com a publicação, o clube ainda estaria devendo cerca de R$ 4 mil reais ao babalorixá.

Em entrevista concedida a ESPN Brasil, Wagner Pires de Sá, ex-presidente do clube, confirmou a existência da negociação, mas afirmou não ter participado do acordo. 

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Não, eu não participei dessa negociação. Foi um acerto entre o nosso supervisor, Benecy Queiroz, e o diretor responsável na época, Zezé Perrella. Foi uma coisa deles, eu não participei" afirmou Wagner Pires. No entanto, Benecy, procurado pelo Superesportes MG, garantiu que tudo foi ideia exclusivamente de Perrella. O ex-senador da república, por sua vez, disse desconhecer a existência da negociação.

Zezé Perrella Cruzeiro
Zezé Perrella Cruzeiro

O que já parecia uma história incomum ganhou contornos ainda mais surreais. Reginaldo Muller Padiá, apontado pela reportagem como o pai de santo, foi procurado pelo Superesportes MG e não negou o serviço. No entanto, afirmou não ser babalorixá.

Reginaldo foi ex-jogador de futebol dos anos 80 e 90, além de ter sido candidato a vereador em Guarapari, cidade do interior de Minas Gerais. Ele não quis revelar quais foram os serviços que prestou ao Cruzeiro, negou ser um pai de santo e disse que isso seria mentira dos dois jornalistas que apuraram a matéria. Em entrevista, ainda afirmou que estaria sendo zoado por amigos por causa da história.

"Não tenho nada contra quem é umbandista, tenho admiração e respeito. Mas não sou, não sei de onde surgiu isso. Está se tornando alvo de gozações. Agora há pouco passou um amigo por aqui e falou: 'opaê'. Está me causando problema. Minha filha, que mora em São Paulo, me ligou para perguntar. Eu falei: 'minha filha, isso é invenção de alguém, uma calúnia'. A fonte deles é mentirosa" declarou.

Seja pai de santo ou não, os trabalhos de Reginaldo não parecem ter surtido efeito: o Cruzeiro foi rebaixado e jogará a Série B em 2020. Agora, depois que a diretoria antiga do clube já está fora de poder, fica cada vez mais claras as medidas absurdas - e até criminosas - que tais cardeais promoveram em um dos maiores clubes do Brasil.

Leia também