Cruzeiro cria projeto "Guardiãs e Guardiões Celestes" para resgatar objetos históricos ligados ao clube

Valinor Conteúdo
·2 minuto de leitura


Um álbum de figurinhas com o time do Cruzeiro de 1948. Uma foto de uma partida entre o Palestra Itália e o Atlético-MG, na década de 1930. Uma antiga máquina de costura de onde já saíram vários mantos sagrados. A flâmula autografada pelo ex-presidente Juscelino Kubistchek. A taça do pentacampeonato mineiro de 1969. Esses são alguns dos milhares de objetos que contam os 100 anos de história do Cruzeiro. Muitos deles já fazem parte do arquivo da própria instituição, na sede do Barro Preto.

Agora, o Cruzeiro, em parceria com o Instituto Palestra Itália, lança o projeto “Guardiãs e Guardiões Celestes”. A intenção é conhecer acervos particulares de torcedores, pesquisadores, colecionadores, famílias, instituições e qualquer pessoa, que, de alguma forma, manteve e preservou objetos relacionados às páginas heróicas e imortais da história do clube.

Não se trata de um pedido de doação ou de aquisição de acervos, e não haverá recebimento de material de forma física. Nessa primeira fase do projeto, que vai durar todo o mês de novembro, a busca será por conhecer, mapear e digitalizar objetos relacionados ao período de 1921 a 1976, um recorte de 55 anos.

Como participar

As pessoas que possuem objetos relacionados à história do Palestra/Cruzeiro (fotografias, filmes, vídeos, camisas, taças, documentos, objetos etc.), datados de 1921 a 1976, devem enviar um e-mail para memoria@cruzeiro.com.br.

Nesse e-mail, além de contar um pouco sobre a história de cada item e atestar serem os reais proprietários, as pessoas poderão anexar fotos, áudios e pequenos vídeos mostrando os objetos.

Em um segundo momento, o Cruzeiro entrará em contato com alguns dos “Guardiões e Guardiãs” para que parte desses acervos possa ser digitalizada. Eles poderão, inclusive, fazer parte de diversas ações que estão sendo desenvolvidas pelo Clube para comemorar o seu centenário em 2021.