Cristiano Ronaldo esteve a um passo de deixar o Sporting para defender o Barcelona

Cristiano Ronaldo, a maior pérola que já nascida no Sporting de Portugal, poderia jogar ao lado de Leo Messi, o maior talento que já pisou em La Masia, divisões de base do Barcelona. 

Aconteceu no verão de 2003, quando o português terminou sua primeira campanha como jogador de futebol profissional. Ele tinha dezoito anos e caminhava para se tornar um craque, algo que não foi ignorado por uma das melhores equipes do momento, o Manchester United, nem pelo Barcelona, que o procurou para acertar um acordo após quatro temporadas em branco. 

Em julho, o jogador estava apenas a um passo de se tornar um novo jogador do Barça enquanto aguardava a chegada do jovem Messi, um calouro à época.

A decisão de David Beckham de deixar o clube inglês para ir ao Real Madrid fez com que o United fosse ao mercado para encontrar um substituto da ponta direita. Ao mesmo tempo, o Barcelona pensou nas duas alternativas de Alex Ferguson: Ronaldinho Gaúcho, então no PSG, e o jovem Cristiano Ronaldo. 

O brasileiro foi a primeira escolha dos ingleses para substituir Beckham, novo jogador do Real Madrid. E, por alguns dias, o português era apenas uma empresa para se tornar um novo jogador de Barcelona.

Ronaldinho, Barcelona

(Foto: Getty Images)

Inicialmente, Ronaldinho escolheu o Manchester United, deixando CR7 como opção exclusiva de um Barcelona que lhe seguiu por muito tempo com excelentes relatórios. No entanto, o então vice-presidente esportivo do clube catalão, Sandro Rosell, estava pronto para assinar com o brasileiro, uma estrela já consagrada depois de vencer a Copa do Mundo de 2002 na Coréia e no Japão, em vez de uma promessa como Cristiano Ronaldo e aproveitou sua amizade e ascendência com o jogador do PSG para convencê-lo a escolher Barcelona como ele finalmente fez.

Então, o Manchester United teve que ficar com o lusitano, a segunda opção. Ronaldinho, entretanto, devolveria o sorriso ao Barcelona, que iria endireitar o caminho dos títulos para levar a Bola de Ouro em 2005 e auxiliar, na temporada seguinte, o jovem Messi. Ronaldo logo demonstraria suas qualidades e, em 2008, ele se proclamaria o vencedor do prêmio pela primeira vez depois do triplete daquele ano com a United, abrindo uma década de disputas com o rosarino, que o sucederia em 2009 para julgar antes de todos os cinco que tem em sua galeria atualmente. Hoje são rivais, mas houve um breve espaço de tempo em que bem poderia ter sido companheiro. Você pode imaginar?