Cristiano Ronaldo doa unidades de tratamento intensivo a hospitais portugueses

AFP
Cristiano Ronaldo isolado em casa em Funchal devido à epidemia do coronavírus, 16 de março de 2020
Cristiano Ronaldo isolado em casa em Funchal devido à epidemia do coronavírus, 16 de março de 2020

O astro do futebol Cristiano Ronaldo e seu empresário Jorge Mendes irão doar três unidades de tratamento intensivo a hospitais portugueses para ajudar a combater a epidemia do coronavírus, informaram nesta terça-feira estes hospitais.

Cristiano e Mendes irão oferecer duas unidades de tratamento intensivo com capacidade para dez camas cada ao Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN), informou à AFP um porta-voz da clínica.

O equipamento inclui camas, respiradores e monitores cardíacos: "um equipamento essencial para tratar os pacientes do Covid-19", disse o hospital em comunicado.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O CHULN, que engloba os hospital de Santa Maria e Pulido Valente, dispõe atualmente de capacidade para 77 camas.

Cristiano Ronaldo e seu empresário também farão doação similar ao Hospital Geral de Santo Antônio do centro hospitalar universitário do Porto, no norte de Portugal.

"Trata-se de um investimento muito importante que inclui mais de uma dezena de respiradores e outros equipamentos necessários", explicou o diretor do departamento cirúrgico do hospital, Eurico Castro Alves, que revelou que a unidade levará o nome dos benfeitores.

"Se for necessário, Cristiano Ronaldo deseja fazer o mesmo em Madeira, sua ilha natal", completou.

A Ilha da Madeira conta com 11 casos confirmados de Covid-19 dos 2.362 registrados em Portugal, país onde 33 pessoas morreram da doença, de acordo com o último balanço oficial.

O astro português, cinco vezes eleito melhor jogador do mundo, se encontra atualmente em Madeira, onde foi visitar sua mãe, que se recupera de um acidente vascular cerebral. Cristiano se colocou em isolamento voluntário após seu companheiro de Juventus, o zagueiro Daniele Rugani, dar positivo para coronavírus.

Leia também