Cristianismo não foi bom negócio para mulheres, diz Maria Homem na Casa Folha

PARATY, RJ - 26.11.2022. Flip - Feira Literária Internacional de Paraty. Mesa de debate na Casa Folha com mediação de Fernanda Mena e participação de Maria Homem e Mariam Chami. (Foto. Zanone Fraissat/Folhapress)
PARATY, RJ - 26.11.2022. Flip - Feira Literária Internacional de Paraty. Mesa de debate na Casa Folha com mediação de Fernanda Mena e participação de Maria Homem e Mariam Chami. (Foto. Zanone Fraissat/Folhapress)

PARATY, RJ (FOLHAPRESS) - O mote da segunda mesa da Casa Folha, em Paraty, neste sábado (26) era "preconceito e liberdade", mas as discussões partiram desses temas e foram muito além deles em apenas uma hora.

A psicanalista e colunista da Folha Maria Homem e a influencer Mariam Chami, que se dedica a desmontar os estereótipos em torno do islamismo, falaram sobre filosofia, religiosidade, sexo e vida profissional.

"Crio conteúdos na internet para combater a desinformação sobre o islamismo. Para começar, o que é ser árabe e o que é ser muçulmano? Árabe é quem nasce em um país árabe, e muçulmano é aquele que escolheu a religião islâmica. Muitos acham que todos os muçulmanos são árabes, não necessariamente. A nação com maior população muçulmana é a Indonésia, que não é um país árabe", explicou Chami.

Formada em nutrição, ela contou que nunca conseguiu emprego nessa área no Brasil devido ao preconceito em relação ao islamismo, especialmente por conta do uso do hijab. "As mulheres sofrem discriminação. Se são mulheres muçulmanas, tem um 'plus'", disse Chami.

Usar ou não o hijab foi o mote para que Maria Homem defendesse "o direito inalienável de escolha". Segundo ela, mulheres e homens deveriam ser livres para escolher morrer em situações de dor extrema. Ou para gozar como quiser. Ou ainda para abortar caso a mulher julgue ser esse o melhor caminho.

Foi aplaudida quando arrematou o pensamento: "Confie na sua consciência. Não precisa fazer que o mundo inteiro seja igual a você para você não desejar [aquilo que pretende proibir]".

Era também o que pensava Contardo Calligaris, que morreu no ano passado e de quem Maria Homem foi companheira. Na sua fala inicial, ela lembrou que estava com o psicanalista italiano radicado no Brasil na sua última visita a Paraty.

Chami também falou sobre a vida sexual dos muçulmanos. "O marido tem a obrigação de satisfazer sexualmente primeiro a sua mulher. Só depois é que ele vai se satisfazer."

A afirmação da influencer chamou a atenção do público -a Casa Folha estava lotada, com algumas pessoas assistindo ao debate do lado de fora, com guarda-chuvas que protegiam da garoa. Alguns dos presentes começaram a comentar o tema em voz alta. "Essa mesa virou auto-ajuda", brincou a psicanalista. "Aproveitem a Flip, tem balada toda noite."

Chami completou, sem quebrar o clima de descontração: "Só dentro do casamento!"

A partir daí, Maria Homem passou a discorrer sobre os efeitos históricos das religiões monoteístas sobre a autonomia feminina. "O cristianismo não foi um bom negócio pra mulherada. Elas tiveram que recalcar o corpo", afirmou.

Grosso modo, o raciocínio é o seguinte: segundo o cristianismo, a alma é imortal, e o corpo, mortal. A religião prevê, portanto, uma transcendência daquilo que é imaterial. Sendo mortal, o corpo também é corruptível, de acordo com a psicanalista. "Ser cristão é dominar as pulsões. As bacantes no ano 1.300 eram mais livres do que as cristãs atualmente."

Ao comentar o veto ao sexo antes do casamento no islamismo, Chami deu sua versão para o que Maria Homem entende como "domínio das pulsões". De modo indireto, ela respondeu à interlocutora na mesa.

"Sempre me perguntam: 'como casar com alguém sem antes fazer o test-drive?' [risos] Nós não casamos com uma pessoa pensando só em sexo. É preciso haver diálogo e outros pontos em comum", disse a influencer. "Mas podemos nos separar, existe essa possibilidade no Islã."

Ao fim, diferenças deixadas de lado, ambas parecem de acordo num ponto. "O amor se constrói na convivência", disse Maria Homem.