'Não vamos sair disso de um dia para o outro' com a vacina, diz epidemiologista da OMS

Marcella Fernandes
·2 minuto de leitura

Após 5 meses de epidemia do novo coronavírus no Brasil, com mais de 100 mil vítimas e um platô de mil mortes diárias, a vacina é vista como a esperança mais promissora para saída da crise. O caminho para algum tipo de normalidade, no entanto, é longo, avisa a epidemiologista Cristiana Toscano, única brasileira no Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas em Imunização da OMS (Organização Mundial da Saúde).

“A gente não vai sair disso de um dia para o outro quando e se uma vacina chegar. Vai ser um processo”, afirmou Toscano em entrevista ao HuffPost Brasil. Ela também critica gestores que usam a esperança na vacina como desculpa para não agir. “As medidas de prevenção e de controle são um combo. É um combinado e não tem uma só estratégia que vai resolver tudo.”

Na perspectiva mais otimista, as primeiras doses podem estar disponíveis em março, na estimativa da especialista. Isso se tudo der certo nas etapas anteriores, que incluem desde resultados dos ensaios clínicos até procedimentos de registro e produção do imunizante em escala.

Depois que as primeiras doses estiverem prontas, ainda há outros passos até um cenário em que seja seguro circular pelas ruas. “Tem um período até de fato atingir coberturas vacinais para conseguir reduzir a transmissibilidade de qualquer doença”, afirma Toscano. Por isso, o distanciamento social vai continuar sendo importante ao longo de 2021.

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro assinou a medida provisória (MP) que libera R$ 1,9 bilhão para viabilizar o acesso a 100 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford. O valor inclui um pagamento à AstraZeneca, farmacêutica detentora dos direitos de comercialização do imunizante, assim como despesas para o processamento final da vacina no Instituto Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), e investimentos necessários para absorção da tecnologia de produção pela...

Continue a ler no HuffPost