Crise: Atletas do Central jogam com fome e pedem água ao Náutico

Lanterna no Hexagonal Final, Centra sofre com saída de elenco por conta de atrasos salariais. Zagueiro escancara situação precária, e elenco vive dias de incerteza

A goleada do Náutico por 5 a 0 sobre o Central, manteve o time na terceira colocação do Hexagonal do Título, agora com 15 pontos. Entretanto, a vitória não foi o destaque da partida, e sim a situação do Central, que passa por uma grave crise e começa a afetar até o bem-estar dos jogadores que compõem o time.

Após a partida, o zagueiro Sanny Rodrigues declarou que os atletas do Central entraram em campo com fome. A última refeição que os jogadores fizeram foi durante o almoço. Inclusive, um de seus companheiros passou mal pouco antes da partida, por estar a tanto tempo sem se alimentar.

-Tem muitas coisa erradas aí, é difícil falar. Nós almoçamos era meio-dia e depois não teve mais nada. Nem lanche, nem nada. É complicado demais. Conseguimos até onde deu, depois as pernas pesaram. Isso fez a diferença, mas vamos batalhar. Só almoçamos para o jogo.

Atualmente, o Central é a equipe mais vazada e tem pior campanha do Hexagonal do Título. O time, que acumula apenas três pontos, sofreu 25 gols durante a segunda fase do Campeonato Pernambucano. Além disso, os salários dos jogadores estão atrasados, o estádio Lacerdão apresenta péssimas condições na estrutura e no gramado e ainda há dívidas trabalhistas a serem acertadas.

Sensibilizado, o técnico do Náutico, Milton Cruz, comentou sobre a crise da Patativa, parabenizou a equipe pelo jogo e pediu mais atenção para a situação deplorável que os atletas do time estão vivendo. Até água falta para o Central.

- Isso que aconteceu hoje é uma coisa que nos deixa tristes. Até no intervalo ali eles (os jogadores do Central) pediram água para nós... É muito triste. Mesmo assim, quero parabenizá-los por terem jogado com honra, levaram cinco gols e não apelaram, não deram pontapés e se portaram muito bem dentro de campo. Merecem os parabéns por tudo o que suportaram hoje, que não foi fácil.









E MAIS: