Criança de 11 anos vê pai esfaqueando mãe e liga para a polícia

O pai foi preso em flagrante suspeito de tentativa de homicídio (Foto: Divulgação)
O pai foi preso em flagrante suspeito de tentativa de homicídio (Foto: Divulgação)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • 'Não é trote', disse o menino ao pedir socorro para a polícia

  • Pai foi preso em flagrante suspeito de tentativa de homicídio

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Um homem foi preso em flagrante na madrugada de sábado (14) após seu filho ligar para a polícia denunciando a sua tentativa de matar a esposa a facadas em Cuiabá (Mato Grosso). Chorando, o menino de 11 anos pediu socorro para os policiais, e garantiu que não se tratava de um trote.

O garoto ligou para o Centro Integrado de Ocorrências e Segurança Pública (Ciosp) quando viu que o pai, Carlos Fernando da Silva, de 38 anos, estava agredindo a mãe, de 32 anos. De acordo com a Polícia Militar, ele estava com dois irmãos no momento da ligação.

Leia também

Foi a atendente do Ciosp quem perguntou se a ligação era um trote. O menino rapidamente negou:

“Meu pai está agredindo minha mãe. Não estou passando trote, por favor, me ajuda”, disse o menino, chorando

Em seguida, a atendente pergunta o endereço do garoto, que diz que vai esperar a equipe na frente da casa.

Quando chegaram à residência, os policiais encontraram as crianças escondidas atrás do sofá. A mãe estava deitada na cama com ferimentos na mão direita e na região do abdômen. Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) levou a vítima até o Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), onde ela passou por uma cirurgia. Seu estado atual de saúde não foi divulgado.

Carlos Fernando da Silva estava ao lado da cama, observando a vítima. A faca que foi usada contra a mulher estava jogada no chão. Ele foi preso em flagrante suspeito de homicídio doloso tentado, e já teve a prisão convertida em preventiva. A polícia não informou se ele confessou ou negou o crime.

As crianças foram entregues para avó, que passou a cuidar deles. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM).

Leia também