Criador do BotSentinel se diz surpreso com tags bolsonaristas movimentadas por robôs

Yahoo Notícias
De 300 a 400 contas inautênticas têm movimentado hashtags contra Rodrigo Maia, segundo criador do BotSentinel. (Foto: Miguel Schincariol / AFP via Getty Images)
De 300 a 400 contas inautênticas têm movimentado hashtags contra Rodrigo Maia, segundo criador do BotSentinel. (Foto: Miguel Schincariol / AFP via Getty Images)

Hashtags bolsonaristas que apareceram, nesta semana, em posições no Trending Topics do Twitter estão sendo alimentadas e movimentadas por robôs e contas inautênticas, segundo Christopher Bouzy, criador do BotSentinel.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Em entrevista exclusiva ao Yahoo Notícias, Bouzy apontou que, ao menos, 300 a 400 contas falsas estimularam a hashtag #MaiaTemQueCair, que superou todas as tags referentes aos Estados Unidos no dia 27 de abril. A ferramenta criada por ele também detectou mais cinco outras hashtags a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que estão sendo levantadas por contas inautênticas.

Leia também

“Fiquei surpreso com o que estava testemunhando. Quando hashtags e frases relacionadas ao Brasil começaram a aparecer em nossas listas do BotSentinel, isso surpreendeu a todos nós”, disse Bouzy. A ferramenta foi desenvolvida por ele em 2018, e monitora publicações e postagens que são criadas e levantadas por contas falsas, chamadas de robôs ou bots.

Usuários brasileiros começaram a seguir a conta no Twitter, que publica quais tags - brasileiras ou não - estão crescendo por atividade dos robôs. O BotSentinel também monitora e indica quem são os “trollbots”, contas administradas por pessoas reais que se comportam como bots, replicando notícias falsas e levantando hashtags.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O volume de tags movimentadas pelas contas inautênticas no Brasil surpreendeu Bouzy, que explica que o destaque recente que a ferramenta tem dado à política brasileira não é direcionada, e sim autônoma.

“Até agora, o BotSentinel estava focado principalmente em hashtags e atividades inautênticas relacionadas aos Estados Unidos. Nós não controlamos o que o algoritmo descobre; é completamente autônomo. O BotSentinel ganhou vida própria e está indo para onde os dados levam. Isso é surpreendente, não nos concentramos na política brasileira. Não dissemos ao Bot Sentinel para procurar contas não autênticas, ampliando hashtags e frases brasileiras; fez isso por conta própria”, afirma.

‘FORA MAIA’ E OUTRAS 5 TAGS BOLSONARISTAS

A surpresa de Bouzy teve seu ápice no dia 27 de abril, quando a tag #MaiaTemQueCair, contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), figurou em primeiro lugar no ranking durante um teste de um novo algoritmo para o BotSentinel. Segundo ele, essa foi a primeira vez que uma hashtag não relacionada aos Estados Unidos apareceu no topo da lista.

Especificamente sobre a tag #MaiaTemQueCair, Bouzy afirmou que “existem, pelo menos, 300 a 400 contas não autênticas amplificando” essa hashtag. Além desta, ele apontou outras cinco tags bolsonaristas que têm sido alimentadas por contas inautênticas:

  • #FechadoComBolsobaro

  • #FechadoComBolsonaro

  • #FechadosComBolsonaro

  • #ForaMaia

  • #MaiaVaiCair

A subida dessas hashtags acontece em um período de extrema tensão política no entorno de Bolsonaro.

Na sexta-feira passada (24), o presidente foi acusado pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro de tentar interferir polticamente na Polícia Federal ao insistir na troca do ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo. Um dos motivos para a troca, segundo Moro, seria a falta de informações que a PF fornece a Bolsonaro a respeito de inquéritos em curso no STF (Supremo Tribunal Federal).

O Supremo investiga, desde março do ano passado, o suposto envolvimento do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente, no uso de notícias falsas para ameaçar e caluniar ministros do tribunal. A PF também investiga a participação de seu irmão Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo PSL de SP.

COMO FUNCIONA O BOTSENTINEL?

Bouzy explica que o BotSentinel utiliza “learning machine” e inteligência artificial para classificar as contas como bots ou trollbots. O filtro utilizado para definir o que configuraria uma conta inautêntica, segundo ele, são os termos de serviço do próprio Twitter.

Em 2018, o modelo inicial do BotSentinel demorou 13 meses da criação à finalização. Durante o processo, foram usadas 2,5 mil contas normais do Twitter e outras 2,5 mil contas não autênticas rastreadas pessoalmente por ele.

“Aproximadamente 5 milhões de tweets foram usados ​​para criar o primeiro modelo. Já o modelo atual usa 25 milhões de tweets de contas normais e contas não autênticas que a plataforma rastreia”, detalha. Bouzy garante que o modelo atual tem uma precisão aproximada de 95%. “Pode haver falsos positivos e falsos negativos. Nenhum modelo ou algoritmo é perfeito, mas estamos constantemente melhorando”.

O gatilho para a criação do BotSentinel foram as eleições americanas de 2016, que resultou na vitória do atual presidente Donald Trump. “Percebi que todos estavam se chamando de ‘bots’ e senti que havia muita desconfiança nas plataformas de mídias sociais, especialmente no Twitter. Senti que precisava haver uma ferramenta para ajudar as pessoas a distinguir entre ‘real’ e ‘falso’”, justifica Bouzy.

Outro motivo, explica o engenheiro de softwares, é a migração das audiências das redes de notícias para as mídias sociais. “A cada ano, mais pessoas recebem cada vez mais suas notícias das plataformas de mídia social do que as redes de notícias, e essas contas não autênticas podem distorcer a realidade e espalhar informações imprecisas nas plataformas de mídia social”, completa.

AMEAÇA À DEMOCRACIA

Para ele, contas não autênticas são uma grande ameaça para os sistemas políticos democráticos, mascarando popularidaes e influenciando opiniões baseados em fatos não comprovados ou totalmente falsos.

“Elas (contas inautências) podem ajudar a fazer com que alguém impopular pareça popular e ajudar a fazer com que alguém popular pareça impopular. Eles podem influenciar a opinião pública e as eleições, e é por isso que ferramentas como o Bot Sentinel são essenciais para ajudar as pessoas a distinguir entre fato e ficção”, finaliza Bouzy.

Leia também