Cria muito e converte pouco: Fla precisa melhorar pontaria fora de casa para ir longe na Libertadores

Ainda de ressaca por conta da derrota contra o Atlético-PR, na última quarta-feira, pela Copa Libertadores da América, o Flamengo trabalha para o Fla-Flu deste domingo já com a cabeça no duelo diante do Universidad Católica, no próximo dia 3 de maio. E se quiser conquistar a classificação sem maiores sustos, o time de Zé Ricardo vai precisar acertar a pontaria.

Contra o Furacão, assim como no primeiro jogo contra os chilenos, o Flamengo conseguiu criar várias oportunidades mas não foi capaz de transforma-las em gol, e precisa ligar o alerta não só por conta da classificação mas de olho também no mata-mata, onde bola na rede fora de casa vale dobrado.

Para se ter uma ideia, o número de oportunidades criadas pelo Flamengo fora de casa são quase o dobro das que o time de Zé Ricardo cria jogando fora. Contra o San Lorenzo, quando venceu por 4 a 0, a equipe teve oito chutes a gol. Contra o Católica, quando saiu derrotado, o Rubro-Negro finalizou 16 vezes.

Guerrero Atletico-PR Flamengo Libertadores 26042017

(Foto: HEULER ANDREY/AFP/Getty)

Já nos duelos contra o Atlético-PR, na partida do Maracanã, onde venceu por 2 a 1, o Flamengo chutou 10 vezes na meta de Weverton, atuando fora de casa, onde perdeu por 2 a 1, finalizou 18 vezes. Os números mostram que oportunidades criadas fora de casa não são o problema do time, mas evidência que a falta de eficiência na hora de decidir é um ponto para se dar mais atenção.

Se vencer o Católica, e o Furacão derrotar o San Lorenzo, o Flamengo carimba a classificação para a próxima fase sem sustos, mas se quiser ter realmente vida longa na Copa Libertadores vai precisar aprender a transformar as oportunidades em gols fora de casa.