Craques da Bélgica quebram o silêncio sobre briga: 'Precisamos descobrir quem vazou essas mentiras'


Além do desempenho ruim em campo na Copa do Mundo, a Bélgica estaria convivendo com problemas dentro do vestiário. De acordo com o jornal francês 'L'Equipe', a comissão técnica da equipe e executivos da seleção teriam convocado uma 'reunião de crise' para acalmar os ânimos dos jogadores e resolver as questões internas. Para amenizar uma suposta crise, Eden Hazard e Thibaut Courtois, que não dariam entrevistas nesta terça, foram aos microfones para colocar panos quentes na situação.

- Não houve muita coisa depois do jogo contra Marrocos. Tudo o que foi dito? Muita bobagem. Tivemos uma boa reunião ontem com todos os jogadores. O mais importante é se preparar bem para vencer este jogo. Estamos todos unidos no grupo como sempre. Estamos passando por um momento mais complicado do que o normal, mas estamos prontos para fazer esforços um pelos outros. Achamos que temos que fazer melhor. Não estamos correspondendo às expectativas. Não conseguimos manter as boas atuações. Achamos que temos que jogar melhor. Veremos a escalação da equipe. Se haverá mudanças ou não, tem de perguntar ao treinador. O que importa é o que acontece em campo - disse o capitão.

Arthur Theate e Yannick Carrasco eram os jogadores escalados para a coletiva desta terça, mas seleção belga anunciou que Hazard e Courtois seriam os jogadores que falariam com a imprensa. Logo na primeira pergunta, Hazard respondeu sobre a 'reunião de emergência' feita nesta segunda.

+ Fim da linha? Bélgica vê a 'ótima geração' definhar em atuações apáticas na Copa do Mundo do Qatar

- A comissão técnica esteve presente na reunião. Dissemos coisas um para o outro. Algumas boas, outras não tão boas. Na reunião, decidimos vir. O Yannick poderia ter vindo, mas o Theate é um jogador novo. Era melhor virem dois jogadores mais experientes hoje - destacou Hazard, que ainda ironizou uma pergunta sobre uma suposta briga com Jan Vertonghen, zagueiro da equipe.

- No vestiário após o jogo, não houve discussões com Jan (Vertonghen). Apenas o técnico falou. Sempre me dei bem com ele. Não brigamos. Não sou estúpido. Ele é mais alto do que eu - declarou.

+ Técnico da Bélgica assume culpa por derrota e atuações ruins: 'Minha responsabilidade'

Courtois, goleiro da Bélgica, falou logo depois de Hazard e também negou qualquer tipo de confusão ou briga no vestiário após a derrota para o Marrocos, no jogo do último domingo.

- Eu fui o primeiro a entrar no vestiário. Nada aconteceu, todo mundo ficou decepcionado com a derrota. O técnico falou e foi isso. O problema é que há muitas mentiras hoje em dia, nas mídias sociais. Essa situação não existe. Como um grupo, nós deixamos isso do lado de fora. Porque somos um bom time e fortes como grupo. O problema é que tomamos como verdade tudo o que sai na imprensa. Nem sempre são os jogadores que trazem isso. O grande erro é que as pessoas tomam isso como verdade. Essas são grandes mentiras. Precisamos descobrir quem vazou isso. Se descobrirmos, será seu último dia na seleção - enfatizou o goleiro.

Courtois - Bélgica x Marrocos
Courtois - Bélgica x Marrocos

Courtois também falou nesta terça (Foto: JACK GUEZ / AFP)


Por fim, Hazard falou sobre o duelo importante da última rodada da Grupo F. Na quinta-feira, dia 1º de dezembro, a Bélgica enfrenta a Croácia e precisa vencer para conseguir a classificação para as oitavas de finais. Em caso de empate, a seleção belga precisará fazer contas para conseguir avançar. Se perder, obviamente, estará eliminada.

- Este é um dos momentos mais complicados da minha vida na seleção. Estou aqui há 14 anos. As pessoas esperam muito de nós, é normal devido ao nosso passado. Temos de mostrar que a Bélgica é uma grande equipe. Cabe a nós estarmos todos juntos, não importa o que seja dito na imprensa. É incompreensível o que aconteceu no domingo. Nós desrespeitamos um pouco as instruções do treinador, querendo ir rápido demais. É incompreensível porque temos jogadores com mais de 100 convocações. Desistimos rápido demais. Prometemos na reunião: seremos 26 guerreiros em campo (contra a Croácia, porque até os que estão no banco também vão lutar - finalizou.