CR7 vai faturar 400 milhões de euros na Arabia Saudita, diz fonte próxima ao Al-Nassr

O astro português Cristiano Ronaldo vai ganhar mais de 400 milhões de euros (429,5 milhões de dólares) na Arábia Saudita, metade desse montante por promover a futura candidatura do reino à Copa do Mundo de 2030, disse à AFP uma fonte próxima do seu novo clube.

O craque vai receber 200 milhões de euros (214,8 milhões de dólares) pelo contrato de dois anos com o Al-Nassr, e "outros 200 milhões" por ser "embaixador" da candidatura conjunta à organização do Mundial de 2030 que a Arábia Saudita espera sediar ao lado de Grécia e Egito, disse uma fonte informada sobre as negociações, que pediu anonimato.

Curiosamente, esta candidatura vai concorrer contra outra formada por Espanha, Portugal e Ucrânia.

A chegada do ex-jogador do Manchester United, Real Madrid e Juventus faz parte do desejo do reino de chamar a atenção para seu campeonato depois que seu vizinho Catar sediou a Copa do Mundo de 2022.

O cinco vezes vencedor da Bola de Ouro deve fazer sua estreia pelo Al-Nassr no dia 22 de janeiro.

Segundo a mesma fonte, o acordo foi apoiado por membros da família real, especialmente o príncipe herdeiro e líder de fato do país, Mohamed bin Salmán, muitas vezes referido pelas iniciais MBS.

"MBS e (seus irmãos) Naif, Turki e Rakan, filhos do rei Salman, são todos membros honorários do Al-Nassr, desde antes de seu pai ser príncipe herdeiro".

"Eles queriam dar supremacia ao seu clube e colocá-lo em primeiro plano. A melhor forma era trazer o melhor jogador do mundo", acrescentou esta fonte.

Segundo ela, o fundo soberano do reino conservador, o Public Investissement Fund (PIF), contribuiu.

"O Al-Nassr e os demais clubes sauditas não têm os recursos necessários para tal contrato. O PIF garante o pagamento", explicou.

O fundo soberano saudita, que investe cada vez mais no esporte, comprou o clube inglês Newcastle no ano passado.

Também financia a LIV Golf, um circuito que dividiu o mundo do golfe ao atrair grandes estrelas do US PGA Tour e do DP World Tour.

Outra fonte próxima ao Al-Nassr confirmou à AFP que os príncipes estavam na origem do acordo surpresa.

"Foram os irmãos MBS que sugeriram o negócio e buscaram realizá-lo a qualquer custo", afirmou.

"Eles são todos torcedores do Al-Nassr e queriam provar que seu time é realmente internacional", acrescentou a fonte, se referindo ao apelido dado ao clube de Riad.

O Al-Nassr conquistou nove títulos da liga saudita, mas nunca venceu Liga dos Campeões da Ásia, ao contrário dos rivais Al-Hilal, quatro vezes campeão, e Al-Ittihad, que levantou a taça em duas ocasiões.

bur/th/saa/gr/mcd/aam