Críticas a grupo jurídico criado por Moro são desinformação, diz professor

·1 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 22.01.2019 - O professor Luciano Benetti Timm. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 22.01.2019 - O professor Luciano Benetti Timm. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Membro do grupo criado pelo ex-juiz Sergio Moro (Podemos) para sugerir mudanças no funcionamento da Justiça, o professor Luciano Timm afirma que as críticas feitas à iniciativa não fazem sentido jurídico e mostram desinformação.

"Atualmente, o conceito de justiça não se restringe ao Poder Judiciário. Podem ser promovidas medidas de aperfeiçoamento do sistema apostando em arbitragem, mediação. Também pode ser aperfeiçoado o sistema processual civil de execuções, que é de iniciativa do Parlamento", afirma ele.

O grupo, coordenador pelo professor Joaquim Falcão, deve apresentar propostas para alterar aspectos da estrutura judiciária e iniciativas de combate à corrupção. Ele vem sendo criticado por grupos como o Prerrogativas, que reúne advogados e profissionais do Direito.

Segundo Timm, em iniciativas de mudanças legislativas o Executivo deve atuar alinhado com o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), em temas como a discussão sobre aperfeiçoamento no sistema de precedentes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos