Covid-19: Prefeito de Manaus admite caos e diz que cidade só tem covas para "2 ou 3 meses"

·2 minuto de leitura
Foto: AP Foto/Edmar Barros
Foto: AP Foto/Edmar Barros

David Almeida (Avante), novo prefeito de Manaus, admitiu que a cidade vive um colapso por causa do aumento de casos pela pandemia do novo coronavírus. De acordo com ele, se os níveis de mortalidade seguirem como estão, a capital amazonense terá covas disponíveis para apenas "dois ou três meses".

"Manaus foi a primeira cidade do Brasil a entrar em colapso na saúde e foi também a primeira a sair. E voltamos novamente, nesta segunda onda, a entrar nesse colapso de atendimento de casos de covid-19", lamentou Almeida em entrevista à CNN Brasil nesta terça-feira (05).

Leia também

"Nós ainda temos alguma reserva [de covas], possivelmente temos dois ou três meses de vagas de sepultamento", disse o prefeito. Durante o primeiro pico da crise sanitária, Manaus viveu uma crise no sistema de saúde e também no funerário.

Prevendo o tamanho do problema, o prefeito revelou ainda que pretende construir mais 6 mil covas, de forma extraordinária, no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, o maior da cidade. Foi lá que as vítimas da Covid-19 acabaram enterradas em valas comuns por falta de espaço durante a primeira onda da pandemia.

"Nós estamos contratando para que, de forma emergencial, nós possamos garantir que essas famílias possam ter seus entes queridos sepultados de uma forma digna", explicou Almeida.

David Almeida também decretou situação de emergência em Manaus pelo período de 180 dias. A ação já foi publicada no Diário Oficial do Município e autoriza a contratação temporária de pessoal e compra de bens necessários para frear o avanço da pandemia.

"Estamos adotando todas as medidas necessárias para contribuir decisivamente para o enfrentamento da covid-19, especialmente neste momento em que a cidade registra aumento de casos e, infelizmente, de mortes. Estamos preocupados com a população em geral, com aglomerações, com nossos servidores e com as pessoas mais carentes", ressaltou o prefeito.

De acordo com o último boletim do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), o Amazonas registra 204.900 casos de Covid-19, além de 5.414 óbitos pela doença até o momento.