Covid-19: Nelson Teich vê 'quadro de piora' na situação da doença no país

Yahoo Notícias
Teich afirmou que os recentes números indicam que há um "quadro de piora" na situação da Covid-19 no Brasil. (Foto: AP Photo/Edmar Barros)
Teich afirmou que os recentes números indicam que há um "quadro de piora" na situação da Covid-19 no Brasil. (Foto: AP Photo/Edmar Barros)

O ministro da Saúde, Nelson Teich, disse nesta terça-feira (28) que há um “quadro de piora” na situação da Covid-19 no Brasil diante dos números mais recentes de mortes e casos confirmados em algumas regiões do país.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Ao todo, o Brasil já registrou 5.017 mortes em decorrência do novo coronavírus, além de 71.886 casos confirmados. A taxa de letalidade do vírus subiu para de 7%. Somente nas últimas 24 horas, foram 474 novas mortes - o maior número já registrado desde o início da pandemia - e mais 5.385 casos novos. 

Leia também:

“O Brasil tem que ser tratado de forma diferente para as diferentes regiões, mas nesses lugares onde a crise é maior vemos um quadro de piora. Vamos acompanhar isso e ver a evolução”, afirmou Teich, que também destacou que os crescentes números de óbitos e infectados pode ser uma “tendência”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

“A gente vê esse aumento como uma tendência nos lugares em que a gente tem uma pior condição da doença. Abordamos como uma evolução da curva para cima, como uma piora em relação ao dias anteriores”.

Ao assumir o ministério, Teich havia dito que uma das possibilidades de leitura para o crescimento dos números seria acúmulo de casos não reportados anteriormente. No entanto, o recorde registrado nesta terça o fez rever sua posição.

“É um número que vem crescendo. Alguns dias atrás eu coloquei que poderia ser um acúmulo de casos de dias anteriores e que estavam sendo resgatados. Mas como a gente tem uma manutenção desses números elevados e crescentes, a gente tem que abordar isso como curva que vem crescendo com um agravamento da situação”, completou.

As 474 novas mortes entre segunda e terça representam 10% do volume total de mortes pela Covid-19 no Brasil. Dessas, 146 ocorreram nos últimos 3 dias e não são confirmações retroativas. Na segunda, o Ministério revelou que há mortes sendo atribuídas à doença mais de um mês depois do dia da morte da vítima.

RECORDE EM SÃO PAULO

Também nesta terça, o estado de São Paulo também registrou seu recorde no número de óbitos nas últimas 24 horas: 224 novas mortes por conta do novo coronavírus. Ao todo, já são 2.049 vítimas fatais em todo estado, além de 24.041 casos confirmados.

Leia também