Covid-19: Campinas inicia toque de recolher às 20h e punirá reuniões familiares

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Prefeito Dário Saadi em visita a hospitais - Foto: Divulgação/Prefeitura de Campinas
Prefeito Dário Saadi em visita a hospitais - Foto: Divulgação/Prefeitura de Campinas
  • Campinas terá punições mais rigorosas a quem descumprir normas

  • Estão proibidas reuniões familiares com mais de 10 pessoas

  • Lockdown não foi descartado

As novas medidas de combate à Covid-19 em Campinas estão sendo aplicadas a partir desta quinta-feira. A prefeitura adotou novo toque de recolher, restrições a serviços e até punições mais rigorosas a quem descumprir as normas, tudo para reduzir o impacto do vírus na cidade.

Entre as principais novidades, está o toque de recolher a partir das 20h, válido até as 4h59 do dia seguinte. A circulação de pessoas está proibida neste intervalo, com exceção de prestadores de serviços essenciais.

Leia também:

Serviços de alimentação, como supermercados, padarias, lojas de conveniência, entre outros, deveram fechar as portas às 20h. Mesmo os serviços de drive-thru, para qualquer atividade, estão impedidos de funcionar a partir deste horário.

Estão proibidas, também, festas clandestinas e reuniões familiares com mais de dez pessoas, sob pena de multa de cerca de R$ 3,5 mil em caso de descumprimento, além do encaminhamento do responsável para a delegacia para registro de termo circunstanciado.

Estabelecimentos que forem flagrados funcionando em desacordo com as novas normas também receberão multa de aproximadamente R$ 3,5 mil e serão lacrados. A prefeitura destacou que haverá aumento na fiscalização, com bloqueios em pontos estratégicos da cidade.

Hospitais estão ficando sem leitos disponíveis por todo o país (AP Foto/Andre Penner)
Hospitais estão ficando sem leitos disponíveis por todo o país (AP Foto/Andre Penner)

Possibilidade de lockdown

O prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), utilizará este período de medidas mais restritivas até o dia 30 de março para analisar os próximos passos. Caso a queda no número de óbitos e casos não seja a esperada, o lockdown na cidade não está descartado.