Corretora divulgada por goleiro Bruno é proibida de atuar no Brasil e envolvida em propaganda enganosa

·1 minuto de leitura


Na última quinta-feira, o ex-goleiro Bruno anunciou que havia largado os gramados para seguir carreira como investidor. Em uma live no perfil do ex-atleta no Instagram, ele mostrou a funcionalidade da operação que aprendia na corretora IQ Option. Entretanto, a empresa é proibida de atuar legalmente no Brasil por determinação do CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e envolvida em propaganda enganosa para captar investidores.
+ Confira a classificação dos grupos da Libertadores

- A parada agora é só investimento. Estou de volta para mostrar para vocês a minha nova profissão - disse Bruno na última quinta-feira ao mostrar operações em um computador.

A CVM considerou a IQ Option irregular depois de detectar indícios de captação ilegal de investidores no Brasil para operações no chamado mercado Forex (Foreign Exchange), em CFDs (Contracts For Difference) e em opções binárias.

A assessoria do goleiro ex-Flamengo alegou que Bruno não tinha conhecimento da ilegalidade da IQ Option. Ao portal "Uol", o empresário do ex-jogador ponderou que o mesmo ainda estava em processo de aprendizado e não executava operações reais.

- Ele não estava operando, apenas participando de um curso. Nunca mexeu com isso e não entende nada de como funciona. Pedimos o dinheiro e recebemos de volta. Não tem parceria alguma com a IQ Option. Apenas quis fazer um curso para operar, mas depois vimos que não era mais viável. Na verdade, a gente quase saiu no prejuízo [financeiro] - pontuou.