Corredor de Bahamas fica com ouro nos 400 m rasos nas Olimpíadas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Steven Gardiner, de Bahamas, conquistou o ouro nos 400 m das Olimpíadas de Tóquio-2020, com o tempo de 43s85.

A prata ficou com o colombiano Anthony Zambrano (44s08) e o bronze foi para o granadino Kirani James (44s19).

Os Estados Unidos, que tinham dois velocistas na final da prova (Michael Cherry e Michael Norman), ficaram fora do pódio.

A prova é a mais norte-americana do atletismo olímpico. Até Tóquio-2020, os Estados Unidos haviam vencido 19 das 27 finais olímpicas dos 400 m.

Com a derrota em Tóquio, o país vive seu maior jejum de vitórias na distância. Os norte-americanos não ganham o ouro desde Pequim-2008, com LaShawn Merritt.

Nos Jogos seguintes, o país viu os triunfos de Kirani James (Londres-2012) e do sul-africano Wayde van Niekerk (Rio-2016).

RECORDE

O queniano Abel Kipsang bateu o recorde olímpico na semifinal dos 1.500 m com o tempo de 3min31s65.

O recorde anterior pertencia a outro queniano, Noah Ngeny, que havia marcado 3min32s07 em Sydney-2000.

Como forma de comparação, na primeira eliminatória, o britânico Jake Wightman chegou na frente, em 3min33s48.

A final da prova será neste sábado (7), às 8h40.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos