Coronavírus: vazia e sem barcos, Veneza tem águas límpidas durante quarentena

Yahoo Notícias
Água límpida é vista nos canais de Veneza com redução no fluxo de turistas e barcos. (Foto: REUTERS/Manuel Silvestri)
Água límpida é vista nos canais de Veneza com redução no fluxo de turistas e barcos. (Foto: REUTERS/Manuel Silvestri)

Veneza, na Itália, também está sentindo os efeitos do novo coronavírus. A cidade, conhecida pelos canais e gôndolas que viajam por eles, está vazia. Uma das consequências da falta de barcos são as águas límpidas. 

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Em vídeos divulgados nas redes sociais, é possível ver até pequenos peixes nos canais. 

Em entrevista à CNN, um representante do governo de Veneza afirmou que a água parece mais limpa porque, sem as gôndolas, a sujeira fica no fundo dos canais. Os barcos, ao se movimentarem, levam dejetos para cima. Segundo ele, a qualidade da água não melhorou. 

Leia também:

Espantados com a limpidez da água, moradores locais criaram um grupo no Facebook chamado Venezia Pulita (Veneza Limpa) onde compartilham imagens da paisagem despoluída.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

No entanto, o ar está efetivamente mais limpo e menos poluído sem movimentação de pessoas e gôndolas na cidade. 

ISOLAMENTO ‘FREIA’ COVID-19

Após uma semana de isolamento forçado em toda a Itália por causa do novo coronavírus (Sars-CoV-2), o país pode estar começando a ver uma luz no fim do túnel da pandemia que já contaminou 200 mil pessoas e deixou cerca de 8 mil mortos em todo o mundo.

Até o momento, a Itália contabiliza 31.506 pessoas afetadas pelo novo coronavírus, incluindo casos ativos, mortes e pacientes curados, o que representa um aumento de 12,60% em relação ao relatório de 16 de março, que havia registrado alta de 13,06% — no sábado e no domingo a expansão foi de, respectivamente, 19,80% e 16,97%.

Até 9 de março, quando o primeiro-ministro Giuseppe Conte anunciou o decreto que restringe a circulação de pessoas em todo o território nacional, a epidemia avançava a uma taxa média diária de 26,54%. Agora, considerando o período desde 28 de fevereiro, quando a Defesa Civil passou a divulgar apenas um balanço por dia, a média de crescimento é de 22,19%.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também