Coronavírus: Proporção da população com anticorpos aumenta 53%

Health professionals check a patient infected with COVID-19 at the Intensive Care Unit (ICU) of the Doctor Ernesto Che Guevara Public Hospital in Marica, Rio de Janeiro state, Brazil, on June 6, 2020. - Marathon-like shifts, low salaries and psychological pressure for fear of taking the coronavirus home: this is the routine of nurses in Brazil, where over 181 professionals have died in the front line fighting against the pandemic. (Photo by Mauro Pimentel / AFP) (Photo by MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
Health professionals check a patient infected with COVID-19 at the Intensive Care Unit (ICU) of the Doctor Ernesto Che Guevara Public Hospital in Marica, Rio de Janeiro state, Brazil, on June 6, 2020. - Marathon-like shifts, low salaries and psychological pressure for fear of taking the coronavirus home: this is the routine of nurses in Brazil, where over 181 professionals have died in the front line fighting against the pandemic. (Photo by Mauro Pimentel / AFP) (Photo by MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)

A proporção da população brasileira com anticorpos para o novo coronavírus aumentou 53% em apenas duas semanas, segundo a pesquisa “Evolução da Prevalência de Infecção por Covid-19 no Brasil: Estudo de Base Populacional (Epicovid19-BR)”, coordenada pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e financiada pelo Ministério da Saúde.

O estudo considerou 83 cidades em que pelo menos 200 entrevistados puderam ser testados em duas fases. Entre a primeira e a segunda, a proporção da população com anticorpos subiu de 1,7% para 2,6%, o que significa que as pessoas foram ou estão infectadas pelo novo coronavírus.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também

O crescimento de 53% é considerado significativo pelos pesquisadores. Como comparação, a Espanha indicou aumento de apenas 4% entre as duas etapas da pesquisa. “Esse jumento lança um alerta sobre a velocidade com que a doença continua”, alertou o reitor da UFPel, Pedro Hallal, coordenador do estudo.

 A primeira fase da Epicovid19 foi realizada de 14 a 21 de maio, com 25.025 testes e entrevistas. Em 90 cidades, foi possível aferir ao menos 200 pessoas. Na segunda fase, entre 4 e 7 de junho, foram 31.165 experimentos em 133 municípios, Destes, em 120 foram testados 200 moradores.

Leia também