Coronavírus: Olimpíada de Tóquio é adiada para 2021

BBC News Brasil
Os anéis olímpicos no Parque Marinho de Odaiba em Tóquio, no Japão
Os anéis olímpicos no Parque Marinho de Odaiba em Tóquio, no Japão

Os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que teriam início em 24 de julho, concordaram em adiar o evento por um ano devido à pandemia de coronavírus.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que o Comitê Olímpico Internacional concordou com o adiamento.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Propus o adiamento por um ano e o presidente do COI, Thomas Bach, concordou 100%", afirmou.

O adiamento de um ano também se aplicará aos Jogos Paralímpicos de Tóquio, segundo o governo japonês.

O primeiro-ministro acrescentou: "Isso permitirá que os atletas joguem em suas melhores condições e tornará o evento seguro para os espectadores".

Mulher usa máscara no Japão
Mulher usa máscara no Japão

O evento ainda será chamado de Tóquio 2020, apesar de ocorrer em 2021, segundo o Comitê Olímpico Internacional (COI).

Em uma declaração conjunta, o comitê organizador dos Jogos Olímpicos de 2020 e o COI disseram: "A disseminação sem precedentes e imprevisível do surto levou a situação no resto do mundo se deteriorar".

A nota menciona a avaliação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que a pandemia está "acelerando".

"Atualmente, existem mais de 375 mil casos registrados em todo o mundo e em quase todos os países, e seu número está aumentando a cada hora", diz a nota.

"Nas circunstâncias atuais e com base nas informações fornecidas hoje (terça) pela OMS, o presidente do COI e o primeiro-ministro do Japão concluíram que os Jogos da 32ª Olimpíada de Tóquio devem ser remarcados para uma data posterior a 2020, mas não depois do verão de 2021, para proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e a comunidade internacional."

Primeiro adiamento em 124 anos

As Olimpíadas nunca tinham sido adiadas em seus 124 anos de história moderna, embora tenham sido canceladas em 1916, 1940 e 1944, durante as duas guerras mundiais.

Além disso, boicotes dos EUA e União Soviética em meio à Guerra Fria afetaram os Jogos de verão de Moscou e Los Angeles, em 1980 e 1984.

A nota diz ainda que "os líderes concordaram que os Jogos Olímpicos de Tóquio poderiam ser um farol de esperança para o mundo durante esses tempos difíceis e que a chama olímpica poderia se tornar a luz no fim do túnel em que o mundo se encontra atualmente".

Nesses jogos, japoneses querem promover multiculturalismo, a sociedade 5.0 e os esforços feitos para reconstruir as áreas devastadas pelo tsunami e consequente desastre nuclear de 2011
Nesses jogos, japoneses querem promover multiculturalismo, a sociedade 5.0 e os esforços feitos para reconstruir as áreas devastadas pelo tsunami e consequente desastre nuclear de 2011

"Portanto, foi acordado que a chama olímpica permanecerá no Japão. Também foi acordado que os Jogos manterão o nome de Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020".

Segunda Olimpíada

O Japão sediou os Jogos Olímpicos pela primeira vez em 1964, quando surpreendeu o mundo ao mostrar sua reconstrução após a Segunda Guerra Mundial.

Agora, os japoneses querem promover o multiculturalismo, a sociedade 5.0 — conceito lançado pelo país que prevê o uso de novas tecnologias para melhorar a qualidade de vida da população — e os esforços feitos para reconstruir as áreas devastadas pelo tsunami e consequente desastre nuclear de 2011.

Em estudo de 2016, o professor da escola de negócios da Universidade de Oxford, Bent Flyvbjerg, constatou que sediar uma Olimpíada é, essencialmente, um péssimo negócio. De acordo com ele, esses megaeventos são extraordinariamente caros e deficitários.

Com a Tóquio 2020, o país asiático vinha tentando fugir desse estigma, fazendo ajustes para reduzir custos, porém sem se descuidar do rigor com o cronograma.

O roteiro da segunda olimpíada japonesa em 56 anos vinha sendo meticulosamente preparado muito antes de o país conquistar o direito de sediar o evento, em 2013. A projeção de custos, porém, subiu tanto que se tornou um dos grandes desafios, ainda maior do que amenizar os efeitos do verão úmido japonês.

Os custos diretos dos Jogos de 1964 chegaram a cerca de US$ 300 milhões (em valores atualizados), segundo o Comitê Organizador das Olimpíadas. Porém, a entidade observa que se forem considerados outros custos indiretos relacionados ao evento, o total chegou a US$ 9 bilhões (3,1% do Produto Interno Bruto do Japão daquele ano).

Para receber os Jogos, o país investiu pesado na construção de estradas e na implantação do serviço de trem-bala (shinkansen) e da linha de metrô, considerados até hoje os grandes legados do megaevento.

Agora em 2020, a estimativa dos organizadores era realizar os Jogos com investimento direto de US$ 12,6 bilhões, bem maior que a avaliação inicial, de US$ 7,3 bilhões, apresentada durante a candidatura. O orçamento final, entretanto, pode crescer ainda mais, de acordo com a Agência de Auditoria do Japão.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=ihE0L2eEuTo&t=75s

https://www.youtube.com/watch?v=G1LoovRQQS4&t=3s

https://www.youtube.com/watch?v=WEMpIQ30srI

Leia também