Coritiba vê pressão da FPF e pede arbitragem de fora no Paranaense

NAPOLEÃO DE ALMEIDA

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O Coritiba encaminhou um oficio para a FPF ( Federação Paranaense de Futebol) nesta terça-feira (18) solicitando árbitros de fora do Paraná para o jogo de volta contra o Cianorte, no próximo domingo (23), às 16h, no Couto Pereira. O pedido também foi estendido para uma eventual final, caso vença por dois ou mais gols ou por um gol de diferença e supere o adversário nas cobranças de pênaltis - na ida, o Cianorte venceu por 1 a 0.

De acordo com Ernesto Pedroso, ex-diretor de futebol e braço-direito do presidente Rogério Bacellar, o pedido é por um receio de que o Coxa seja prejudicado nas partidas por conta de sua cisão política com a Federação. "O presidente e o departamento técnico solicitaram arbitragem de outro estado contra o Cianorte, provavelmente se formos a final seria de bom alvitre também", disse em entrevista à 'Rádio Transamérica', explicando em seguida: "Acho que é uma pressão que os árbitros estão sofrendo do presidente da FPF [Hélio Cury], eu acho que eles não têm condições psicológicas de fazer uma arbitragem tranquila com uma qualidade técnica. Não é bom para o Coritiba, que também não se sente confortável numa situação arbitraria destas. Temos que tentar o melhor para nós."

Os dirigentes da dupla Atletiba estão publicamente rompidos com a FPF desde as últimas eleições, em 2015, quando manifestaram apoio ao candidato de oposição Ricardo Gomyde, inclusive com aporte financeiro na campanha. No Estadual deste ano, o conjunto de arbitragem indicado pela FPF para o Atletiba do turno de classificação impediu a realização do jogo, que acabou sendo disputado posteriormente. A FPF negou influência na decisão dos árbitros e acabou inocentada – bem como todos os envolvidos no processo – em julgamento no TJD-PR (Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná).