Corintianos esperam clima hostil no Chile e pedem cuidado à torcida

Os jogadores do Corinthians acreditam que a vitória por 2 a 0 sobre a Universidad de Chile e, principalmente, a confusão envolvendo a torcida adversária nas arquibancadas do estádio de Itaquera vão criar um clima bastante hostil para quem for ao duelo de volta entre as duas equipes. Marcado apenas para o dia 10 de maio, o jogo deve reunir, na cabeça dos corintianos, ingredientes perigosos para quem quiser torcer pelo Timão em Santiago.

“Clima hostil vai ter de toda forma, se tivesse briga ou não eles iam querer fazer de lá um caldeirão, torcida presente, jogo bem típico de torneio sul-americano. Estamos bem tranquilos quanto a isso, só peço que a torcida tenha cuidado quando for para lá. A recepção não vai ser muito boa, podem ter certeza, mas estamos preparados”, avaliou o meia Rodriguinho, com opinião compartilhada pelo lateral direito Léo Príncipe.

“Não cabe a nós ficar falando dessas coisas, mas briga e confusão ninguém gosta disso. Temos de focar no nosso jogo, sabemos que eles vão pressionar lá, mas tem de ficar tranquilos”, observou o defensor, que tem presença praticamente assegurada no embate no Chile, já que o titular Fagner terá de cumprir mais um jogo por suspensão imposta a ele pela Conmebol.

Clima hostil e perigos à parte, os jogadores celebraram bastante o fato de ter adquirido uma boa vantagem para o duelo da volta. Na avaliação dos alvinegros, o fato de terem sido praticamente dominados na primeira etapa e, ainda assim, conseguirem uma vitória sem levar gols dentro de casa é digno de muita comemoração.

“A gente jogou contra uma equipe muito qualificada, saída de bola deles é muito boa, jogadores experientes no meio. Eu só acho que eles estavam com mais posse de bola, mas efetivamente não estavam chegando tanto. Foi só um lance mais difícil para o Cássio”, comentou Rodriguinho, que enxergou alguns erros no bom desempenho do adversário nos 45 minutos iniciais da partida.

“Eles estavam se expondo muito, tentamos pressionar, mas eles saíram muito bem. Depois que a gente conseguiu tirar o zagueiro do lado esquerdo, conseguimos encaixar a marcação e melhorou bastante. O gol ajudou, a equipe deles teve de atacar mais, deu mais espaço no nosso ataque e nos facilitou um pouco. O resultado nos ajuda mais ainda para a partida de volta, nos deixou feliz que a gente pode ter uma vantagem boa para o jogo lá”, concluiu o jogador.

Antes de fazer a partida de volta no Chile, porém, os comandados de Fábio Carille terão pela frente ainda o Botafogo-SP, em duelo marcado para domingo, às 16h (de Brasília), no estádio de Itaquera, e os dois jogos contra o Internacional, nos dias 12 e 19 de abril, pela quarta fase da Copa do Brasil. Caso avancem em ambas competições, o Timão assegura mais quatro duelos antes de voltar a campo no torneio continental.