Corinthians se revolta com pichações contra Andrés: "Milicianos e patifes"

Goal.com

Nesta quinta-feira (18), os muros do Parque São Jorge amanheceram pichados com mensagens de protesto contra o presidente Andrés Sanchez e a atual diretoria do clube. As manifestações aconteceram após o anúncio do retorno de Jô e os autores ainda são desconhecidos. O clube, no entanto, as atribuiu a “milicianos e patifes” que querem tumultuar o trabalho em ano de eleição.

Desde o início do ano o Corinthians vive um momento turbulento. A eliminação precoce na Libertadores e os maus resultados no Campeonato Paulista marcaram o início do trabalho de Tiago Nunes. Então, com a pandemia do novo coronavírus, os problemas financeiros reapareceram mais fortes do nunca. Cortes nos patrocínios, perdas de receita, diversos processos na justiça e números cada vez mais preocupantes passaram a rondar a gestão de Andrés. 

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Como se isso não bastasse, o ano é de eleição no Parque São Jorge, o que tumultua ainda mais a vida de qualquer clube no Brasil.

Após as manifestações na madrugada desta quinta-feira, o Corinthians publicou um comunicado oficial em seu site dando cunho político aos atos, que teriam sido organizados por “inimigos do Corinthians”, e ressaltou que as dificuldades financeiras do clube têm forte relação com a crise mundial causada pela pandemia da Covid-19.

“É lamentável que, em ano eleitoral, milicianos e patifes queiram tumultuar o trabalho sério que está sendo feito neste momento difícil. São 90 dias sem jogos e, consequentemente, queda abrupta de receita”, diz o comunicado.

“Esse ato só interessa aos inimigos do Corinthians e serve de alerta para o lado mais baixo que uma eleição desperta em quem não trabalha pelo clube, mas sim pelo caos”.

Por fim, o clube também exaltou a contratação de Jô e afirmou que novos contratos de patrocínio e novas receitas devem ser anunciadas em breve.

As eleições no Corinthians estão marcadas para o mês de novembro deste ano. Até o momento, Duílio Monteiro Alves, atual diretor de futebol, Mário Gobbi, presidente alvinegro entre 2012 e 2015, e Paulo Garcia são os principais candidatos. Cabe destacar que Andrés Sanchez não pode concorrer à reeleição por conta de restrições no estatuto.

Leia também