Corinthians e São Paulo pleiteiam fim de torcida única na semifinal

Após uma rápida reunião na sede da Federação Paulista de Futebol (FPF), que serviu para definir as datas, horários e locais das semifinais do Campeonato Paulista, Roberto de Andrade gastou bastante a voz para defender o fim dos clássicos com torcida única no Estado. O presidente do Corinthians ganhou apoio de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, mandatário do São Paulo, na improvável tentativa de reverter a decisão dos órgãos de segurança pública.

“Jogo com torcida única sempre é injusto e ruim para o futebol, para as pessoas que tem esse esporte como o seu maior entretenimento. Eu discordo. Essa solicitação será levada para a Secretaria de Segurança Pública, que está tratando da proibição com o Ministério Público”, disse Roberto de Andrade.

A intenção é liberar o acesso de torcedores do Corinthians ao Morumbi já neste domingo, no jogo de ida da semifinal do Campeonato Paulista. Em contrapartida, os são-paulinos poderiam ir a Itaquera no fim de semana seguinte, no confronto que determinará um finalista.

“Estou absolutamente identificado com o posicionamento que o Roberto manifestou, embora deva lembrar a todos que essa é uma decisão tomada pelas forças de segurança do Estado. Todos os órgãos se posicionaram a favor da torcida única durante este ano. A nossa tarefa inglória seria mudar isso agora, mas acho muito difícil que ocorra”, reconheceu Leco.

Como argumento para liberar a presença de torcedores visitantes nos clássicos, os presidentes apontaram as recentes sinalizações de paz entre as torcidas organizadas dos quatro grandes clubes de São Paulo.

“Para acontecer confusão, não precisa nem haver jogo. Eles marcam de se encontrar pelas redes sociais. E o que a gente tem visto, principalmente na torcida do Corinthians, com que converso bastante, é uma conscientização maior. Não chamo de trégua, porque não é a palavra certa, mas está na hora de darmos um voto de confiança aos torcedores”, pediu Roberto de Andrade. “Da parte do São Paulo, digo que os torcedores estão contribuindo. Há um processo de conscientização por parte deles”, emendou Leco.

A solicitação de Corinthians e São Paulo também ganha força em função da disparidade para a outra semifinal do Campeonato Paulista. Por não se tratar de um clássico, Palmeiras e Ponte Preta terão os seus torcedores no Moisés Lucarelli e no Palestra Itália, nos confrontos de ida e volta. “Não estamos fazendo a solicitação por conta do Palmeiras. Sabemos que esse castigo da torcida única, vamos dizer assim, não se aplica à Ponte Preta”, ponderou Roberto, também negando influência do futebol carioca, que rejeitou a torcida única como forma de combater a violência.

Do lado do Palmeiras, a postura do presidente Maurício Galiotte foi de não se meter em polêmica e deixar qualquer decisão a respeito da torcida única a cargo das autoridades competentes. “Sabemos que a quantidade de ocorrências praticamente zerou a partir da adoção desse modelo. Ao mesmo tempo, nós, que administramos o futebol, entendemos que a torcida visitante faz parte do espetáculo”, desconversou, ganhando apoio da Ponte Preta. “Vou na mesma linha do Maurício: as vidas devem ser preservadas. Seja qual for, devemos respeitar o posicionamento da Polícia Militar e da Secretaria de Segurança Pública”, afirmou Vanderlei Pereira, mandatário do clube de Campinas.