Base do Corinthians deve ser mais integrada ao profissional em 2021

Alexandre Guariglia
·3 minuto de leitura


Após um ano em que a pandemia de coronavírus atrapalhou as finanças de todos os clubes brasileiros, as categorias de base podem ser a solução dentro e fora de campo para superar essa crise. No Corinthians não será diferente, e se em 2020 os jovens já deram uma ajuda, em 2021 a tendência é isso ser maior sob o comando de Duílio Monteiro Alves em seu primeiro ano de mandato.


TABELA
> Veja classificação e simulador do Brasileirão clicando aqui

GALERIA
> Brasileirão-2020: Veja o prejuízo de cada clube com os portões fechados

Pedrinho, Carlos Augusto, Lucas Piton, Roni, Gustavo Mantuan, Ruan Oliveira, Gabriel Pereira e Xavier foram os nomes da base corintiana que foram utilizados ao longo do ano de 2020, tanto com Tiago Nunes, quanto com Dyego Coelho e Vagner Mancini. Além de Fagner e Jô, claro, antigos Filhos do Terrão. Pedrinho e Carlos, inclusive, foram negociados com o futebol europeu.

A promessa de Duilio é que isso seja ainda maior no ano de 2021, principalmente por conta da inauguração do CT da base, que fica ao lado do CT Joaquim Grava, que abriga os profissionais. A proximidade física deve facilitar ainda mais a integração entre as categorias. Segundo o novo presidente isso será um dos pilares do clube em sua gestão já para este primeiro ano.

- A gente tem, nos últimos anos, um aproveitamento maior dos atletas formados em casa ajudando no profissional. Guilherme Arana, Carlos Augusto, que foi para a Itália, Lucas Piton, Gabriel Pereira, Ruan Oliveira, que teve uma lesão, Gustavo Mantuan, Xavier que está conosco, o Roni... Temos muitos jogadores formados na nossa base que estão com a gente. A nossa meta é ter um departamento profissional de base mais integrado. A gente já vem pensando em novos profissionais para termos essa integração. Até pelo espaço físico, os dois CTs, um do lado do outro, vamos conseguir aproveitar mais a base. Esse vai ser um dos grandes pilares da nossa gestão - disse o mandatário.

Se o surgimento de novos talentos ajuda as finanças do clube em tempos de "vacas magras", eles também ajudam a suprir a falta de grana para investir em reforços que ajudem a compor o elenco corintiano. A ideia é que se busque um valor entre os jovens formados pelo clube, do que um jogador que estiver no mercado, inclusive para posições carentes em todo o futebol brasileiro.

- Se puxar um pouco na memória, há uns dois anos, não tínhamos centroavante de área no mercado. Sofremos com a saída do Jô. É muito de momento, do futebol, do que é formado de atleta. Devemos nos próximos anos e meses nos deparar com muitos centroavantes, por ter existido essa carência lá atrás. Jogador de beirada é a mesma coisa. Os estilos de jogo vão mudando. Isso vai muito de momento e dos atletas que você tem na sua base. A gente vem olhando isso, não é de hoje. Se você olhar, subimos jogadores nessas posições, que infelizmente tiveram lesões, como o Mantuan e o Ruan.

- Temos que estar sempre conversando com a base, é uma sequência de carreira. Estaremos muito atentos a isso, essa integração vai funcionar daqui para frente, podem ter certeza. A prioridade sempre do aproveitamento de um atleta será da base, ao invés de contratar - completou Duílio em coletiva.

Com o calendário 2020 terminando poucos dias antes do início do calendário 2021, é possível que as categorias de base do Timão sejam acionadas para o início do Campeonato Paulista, quando pode ser necessário o rodízio de peças em virtude das competições que tendem a ser disputadas de forma simultânea, sem o espaço de descanso ou de uma pré-temporada.