Corinthians aposta na melhor defesa para decidir em casa

Os jogadores do Corinthians falam repetidamente que o objetivo do elenco é ir até Campinas neste domingo e, a partir das 16h (de Brasília), contra a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli, conseguir uma vitória para poderem decidir mais tranquilos dentro de Itaquera o título do Campeonato Paulista. Para que isso aconteça, porém, o grande trunfo alvinegro não é a dupla Jadson e Rodriguinho no meio ou a fase inspirada do centroavante Jô. Dono da melhor defesa da competição, o clube aposta no setor para segurar a rival e ficar mais próximo do título.

Até o momento, o Timão sofreu apenas dez gols no Estadual, em 16 partidas disputadas, e ainda pode ostentar um número imponente quando se trata de adversários de Série A: em seis jogos disputados contra São Paulo, Santos, Palmeiras e a própria Ponte, foi vazado apenas três vezes, uma média (0,5 gol por jogo) inferior à do resto do torneio (0,66).

“E vou falar que, mesmo esses poucos gols que a gente sofreu, dava para evitar”, avaliou o volante Gabriel, relembrando principalmente o tento marcado por Pratto já na parte final da semifinal contra o Tricolor, considerado uma desatenção geral da defesa devido à classificação praticamente garantida para a decisão.

Na avaliação dos corintianos, os primeiros 15 minutos de jogo serão de intensa pressão dos donos da casa, ávidos por construir uma vantagem semelhante à obtida contra o Palmeiras, na semifinal. Ciente da força dos campineiros e da necessidade de coibir isso sem fazer muitas faltas, já que tem oito atletas pendurados com dois cartões amarelos, o técnico Fábio Carille não quer que o Timão entre em campo de forma tão defensiva. Para ele, é necessário manter o estilo adotado principalmente frente ao São Paulo, no Morumbi, quando o time se defendeu, mas propôs o jogo quando teve a bola no pé.

“A gente espera chegar nesses momentos porque confia no trabalho, no elenco, nosso objetivo era chegar na decisão, ainda bem que conseguimos. Agora é manter, não é porque é uma decisão que tem que fazer tudo diferente”, continuou Gabriel, reconhecendo que, em jogos mais decisivos, como clássicos e mata-mata, a retaguarda corintiana tende a ser ainda mais eficiente.

“O time pode ser que entre com uma concentração um pouco acima da média. Eu vejo de um lado muito positivo, o grupo não quer tomar gol de jeito nenhum. Um ou outro foram falhas nossas, podem ser evitados. Todos jogos nós entramos entramos concentrados, mas mata-mata requer um pouco mais”, observou o jogador, presente em 21 dos 22 jogos disputados na temporada.

Com o objetivo claro já na mente dos atletas, o Timão fará a partir desta quinta os aprontos necessários para deixar a equipe titular com a melhor condição física possível no Moisés Lucarelli. Diante da primeira “semana cheia” de trabalhos, Carille não deve ter problemas para utilizar seu já conhecido time com Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Jadson, Rodriguinho e Romero; Jô.