Coração dos esportistas infectados pela covid-19 se torna objeto de estudo

Déborah CLAUDE
·3 minuto de leitura

Já no centro das atenções em tempos normais, o coração de atletas infectados pela covid-19 é monitorado de perto no momento em que eles retomam as atividades normais, uma vez que há um risco de atacar o miocárdio e até causar morte súbita em casos isolados.

"Pode haver problemas no músculo cardíaco e possibilidade de arritmias. Se há uma sequência que tentamos identificar é essa, porque o dano cardíaco pode comprometer o prognóstico vital', explicou Sébastien Le Garrec, chefe da equipe médica do Insep (Instituto Nacional de Esporte, Especialização e Desempenho).

- Check-up médico completo -

Desta forma, quando um atleta infectado com covid-19 é curado, ele passa por um check-up médico completo antes de retomar os treinamentos.

Desde setembro, foram detectados 160 casos de covid-19 no Insep, mas nenhum grave.

"Nenhum teve miocardite, mas tivemos alguns atletas com problemas pulmonares e outros muito cansados", disse Le Garrec.

Os exames médicos incluem um EKG, um eletrocardiograma, um teste de esforço e, se necessário, uma ressonância magnética.

Na equipe de rugby Stade Français, com vários casos antes do início da temporada, "nenhum teve lesões cardíacas", explicou Eliott Rubio à AFP.

Neste esporte, o terceira linha William Wavrin, que joga no Stade Montois da segunda divisão, é um dos poucos que desenvolveram miocardite após ser infectado pela covid-19.

Ele voltou a treinar no início de março, após um hiato total de vários meses, informou o jornal Sud-Ouest.

Após uma infecção viral, como a gripe, os cardiologistas esportivos recomendam monitorar se a frequência cardíaca volta ao normal na semana seguinte. O conselho é pouco compreendido, mas a miocardite viral pode levar à morte súbita.

Jean-François Toussaint, diretor do Irmes (Instituto de Pesquisas Biomédicas e Epidemiologia do Esporte), confirmou que a retomada da prática esportiva deve ser monitorada.

- Conscientizar atletas amadores -

"É excepcional, mas sabemos que existe e sabemos que há um tratamento", explicou.

Para saber mais sobre as consequências da covid-19 no coração, incluindo atletas que sofreram leves sintomas ou foram assintomáticos, um grande estudo foi iniciado há quase um ano pelo Centro Hospitalar Universitário de Bordeaux.

Ele toma como amostra um grande número de atletas, incluindo várias centenas de jogadores de rugby do Top 14 (primeira divisão) e da ProD2.

A ideia, segundo os médicos Laurent Chevalier e Isabelle Pellegrin, é "detectar o risco rítmico em atletas que tiveram covid em relação a cicatrizes miocárdicas ocultas que se evidenciam em uma ressonância magnética cardíaca".

Os resultados deste estudo, denominado Asccovid19 (para 'atividade esportiva coração e covid', em francês) ainda são desconhecidos.

Nos Estados Unidos, um estudo realizado pela revista médica JAMA Cardiology, em parceira com médicos especialistas da NFL (liga de futebol americano), NBA (basquete), MLB (beisebol), MLS (futebol) e WNBA (basquete feminino), com atletas com teste positivo entre maio e outubro de 2020, concluiu que apenas cinco de 789 sofreram de doenças cardíacas inflamatórias.

O estudo realizado em Bordeaux visa também sensibilizar os atletas amadores, tendo em vista que as infecções por covid-19 estão aumentando na população em geral e especialmente entre os jovens.

dec/pm/dr/aam