Copa tem festa pós-eliminação em dia com decisões emocionantes

Torcedores tunisianos celebram vitória sobre a França mesmo após eliminação na Copa do Mundo. Foto: Richard Sellers/Getty Images
Torcedores tunisianos celebram vitória sobre a França mesmo após eliminação na Copa do Mundo. Foto: Richard Sellers/Getty Images

Argentina se salva de vexame com boa atuação, australianos vão para as oitavas em ritmo de Leckie e Tunísia impõe derrota à campeã França. O décimo primeiro dia da Copa no Catar tem ainda futebol decepcionante de Dinamarca e Polônia.

ALLEZ LE ROUGE

Em 1881 a França, uma potência colonial, invadiu a então falida Tunísia, sob o pretexto de uma incursão à vizinha Argélia, que já era colônia francesa desde 1830. Foi evocando o sentimento de independência que a equipe africana buscou a sua primeira vitória contra europeus em uma Copa, justo contra o ex-colonizador. Em sua sexta aparição em um mundial, a Tunísia novamente caiu na fase de grupos, mas a vitória 1 a 0, com gol de Wahbi Khazri, sobre o país que por 75 anos manteve os tunisianos sob um protetorado deu ao país um motivo para comemorar. Khazri, inclusive, é um dos milhares de tunisianos nascidos na França, e escolheu representar a Tunísia em 2012, após ter jogado uma partida pela França sub-21.

Mesmo com a eliminação a torcida tunisiana comemorou muito a vitória, especialmente após a França ter chegado a empatar com Griezmann, já nos acréscimos do jogo. Chamado pelo VAR, o árbitrou anulou o gol e fez a festa de centenas de tunisianos nas arquibancadas.

AH LE LEK LEK LECKIE LECKIE

O encontro entre Dinamarca e Austrália definiu o segundo colocado do grupo D, no qual a França já havia garantido vaga na rodada anterior da fase de grupos. Mathew Leckie, que joga sua terceira Copa do Mundo seguida, foi responsável pelo gol que colocou os Socceroos nas oitavas, quando enfrentarão a Argentina. Com um gol da Tunísia sobre a França no outro jogo do grupo a Austrália esteve fora da Copa por durante três minutos, até que Leckie foi lançado em velocidade, tirou a zaga dinamarquesa pra dançar e fez um belo gol, começando de vez a festa australiana.

Leia também:

HÁ ALGO DE PODRE NO REINO DA DINAMÁQUINA

Semifinalista da última Eurocopa, classificada com sobras em seu grupo das eliminatórias, na qual perdeu apenas um jogo, justamente o último quando a classificação direta já estava assegurada. Foi com essas credenciais que os dinamarqueses chegaram ao Catar como a segunda força do Grupo D, apenas atrás da atual campeã França. Mas em campo o desempenho não se repetiu, e após conquistar apenas um ponto, em empate em 0 a 0 com a Tunísia, a Dinamáquina se despediu da Copa de maneira melancólica, como lanterna do grupo.

E VOLTA O CÃO ARREPENDIDO...

Essa semana o boxeador mexicano Canelo Alvarez ameaçou o craque argentino Lionel Messi por supostamente ter desrespeitado o México após jogo entre os dois países, ao supostamente chutar a camisa da seleção mexicana enquanto tirava as chuteiras no vestiário. Com uma enxurrada de críticas recebidas, inclusive do jogador mexicano Andrés Guardado, que havia trocado a camiseta com Messi, Canelo hoje se retratou no Twitter minutos antes dos jogos do dia, em que a Argentina enfrentou a Polônia, e o México a Arábia Saudita.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Nos últimos dias me deixei levar pela paixão e o amor que sinto pelo meu país e fiz comentários inadequados pelos quais quero me desculpar com Messi e o povo da Argentina. Todos os dias aprendemos algo novo e desta vez aconteceu comigo."

Durante o jogo Messi perdeu um pênalti e mais algumas boas chances, e a vitória Argentina de 2 a 0 não foi suficiente para ajudar o México a se classificar, mesmo derrotando os sauditas por 2 a 1. Resultado: a Polônia passou no saldo de gols, e o boxeador mexicano ficará por muito tempo se perguntando se Messi poderia ter ajudado mais caso as desculpas tivessem sido pedidas mais cedo.