Copa no meio da temporada é um "risco" para os jogadores, alerta FIFPro

Várias estrelas presentes na Copa do Mundo no Catar assumiram um grande risco de lesão ao disputarem o torneio deste ano, devido ao carregado calendário, alertou nesta terça-feira o sindicato de jogadores FIFPro.

O zagueiro Virgil van Dijk, por exemplo, do Liverpool e líder da seleção da Holanda, fará seu primeiro jogo no Mundial contra o Senegal na próxima segunda-feira, apenas nove dias depois de ter entrado em campo pelos 'Reds' contra o Southampton pelo Campeonato Inglês.

A falta de tempo disponível para se recuperar de um calendário pesado e para se preparar para uma Copa do Mundo que pode definir suas carreiras é algo nunca visto antes e ameaça o bem-estar dos atletas, disse o FIFPro.

"Após uma primeira parte muito sobrecarregada na atual temporada de ligas, o tempo médio de preparação e recuperação de muitos jogadores será de sete ou oito dias, quatro vezes menos do que o habitual", alertou o sindicato no relatório 'Copa do Mundo 2022: a jornada da carga de trabalho do jogador'.

"É provável que isso aumente o risco de lesões musculares e estresse mental", alerta o sindicato.

O Mundial deste ano é o primeiro a ser disputado entre novembro e dezembro, no meio da temporada na Europa, onde atua a maioria dos jogadores presentes no Catar.

Além da consequente falta de descanso antes do torneio, as ligas também retornarão poucos dias depois da final da Copa do Mundo em Doha, em 18 de dezembro.

O relatório do FIFPro aponta que o Campeonato Inglês retornará apenas oito dias depois da final, menos do que os 26 dias de intervalo após a decisão do Mundial de 2018 e dos 34 em 2014.

"A redução significativa dos períodos de preparação e recuperação antes e depois desta Copa representa uma ameaça ominosa para a saúde dos jogadores e dificulta a otimização do rendimento", diz o sindicato.

Segundo o relatório, Van Dijk é o jogador que esteve mais tempo em campo no período entre julho de 2021 e 24 de outubro de 2022, acumulando 7.597 minutos em 78 jogos.

O FIFPro expressa de maneira regular sua preocupação com a carga de trabalho dos jogadores desde a pandemia de covid-19. No entanto, o relatório também expressa preocupação com algumas equipes que podem ficar estagnadas na Copa do Mundo devido à falta de jogos de seus atletas. É o caso do anfitrião Catar, cujos jogadores passaram seis meses em um centro de treinamento e só disputaram amistosos de seleções nesse período.

as/dam/psr/cb