Copa do Mundo: Equador faz comunicado sobre ausência de Byron Castillo


O lateral Byron Castillo ficou de fora da lista final do Equador para a Copa do Mundo no Qatar. A seleção divulgou os 26 convocados na segunda-feira sem a presença do atleta. Um dia depois, a federação do país soltou um comunicado oficial justificando a decisão.

+ Com jogador do São Paulo, Equador divulga lista de convocados

Segundo a Federação Equatoriana, a ausência do atleta vem por 'riscos de novas injustas punições'. Castillo está em um imbróglio na justiça após uma denúncia da seleção chilena por, possivelmente, o lateral não estar regularizado para atuar pelo Equador.

- Diante de uma decisão arbitrária do CAS, que ignora os princípios jurídicos mais elementares universalmente aceitos, e diante do risco de sofrer novamente injustas punições, a Federação Equatoriana de Futebol se vê na obrigação de não incluir o jogador Byron Castillo Segura na lista final que foi apresentada a Fifa - declarou a federação em parte da nota.

+ Byron Castillo: entenda a polêmica que quase tirou o Equador da Copa do Mundo

Caso Byron Castillo

O Chile acusa a Federação Equatoriana por ter usado Castillo de forma irregular em partidas das Eliminatórias Sul-Americanas. Na alegação, os chilenos declararam que Byron nasceu na Colômbia e teria usado documentos falsos.

O TAS (Tribunal Arbitral do Esporte) considerou que o Equador utilizou de documentos irregulares e puniu a seleção com menos três pontos na classificatória em 2026 e além disso, uma multa no valor de 100 mil francos suíços.

Chile x Equador - Byron Castillo e Jean Meneses
Chile x Equador - Byron Castillo e Jean Meneses

Byron Castillo em ação contra o Chile. Polêmica começou após denúncia chilena (Foto: MARCELO HERNANDEZ / POOL / AFP)

Veja o posicionamento da seleção equatoriana

'Diante de uma decisão arbitrária do CAS, que ignora os princípios jurídicos mais elementares universalmente aceitos, e diante do risco de sofrer novamente injustas punições, a Federação Equatoriana de Futebol se vê na obrigação de não incluir o jogador Byron Castillo Segura na lista final que foi apresentada a Fifa.

Para ninguém tem sido fácil o processo que como instituição temos tido que atravessar, e muito menos para nosso jogador, que é parte desta família que chamamos La Tri.

Todos os fatos relacionados com o caso foram conhecidos pelos juízes equatorianos, que em quatro oportunidades deram a razão ao jogador, sendo eles as únicas autoridades competentes em nosso país para dirimir essa controvérsia. Cada um dos atos da FEF foram realizados respeitando precisamente o que nosso sistema jurídico dispõe, obedecendo as decisões das autoridades judiciais e administrativas, as quais como Federação estamos obrigados a acatar, mas quando estão em jogo direitos fundamentais do jogador.

Incompreensivelmente, a mesma decisão do CAS - que reconhece a elegibilidade do jogador - semeia, de forma ilegítima, dúvidas sobre o conteúdo de seu passaporte que podem colocar em risco, não só o avanço da seleção nesta Copa do Mundo, como até mesmo comprometer sua participação na próxima edição, sob a sanções que, sem fundamento jurídico algum, foram impostas a FEF.

Embora hoje nossa atenção esteja no Mundial do Catar, nosso compromisso é esgotar todos os recursos que o direito nos conceder para demonstrar nosso procedimento correto e reparar essa injustiça e dolorosa situação, seja qual for o foro em que devamos fazê-lo.'