Copa conhece seus primeiros confrontos do mata-mata em décimo dia no Catar

Jogadores do Senegal comemoram a classificação na Copa do Mundo com torcedores. Foto: JUNG YEON-JE/AFP via Getty Images
Jogadores do Senegal comemoram a classificação na Copa do Mundo com torcedores. Foto: JUNG YEON-JE/AFP via Getty Images

Após dez dias ininterruptos de Copa mais quatro seleções se classificam para as oitavas-de-final, com emoção senegalesa, tristeza iraniana e equatoriana e confirmação da favorita Inglaterra.

SENE SENE SENE SENE SENEGAL

Ao vencer o Equador por 2 a 1, o Senegal se classificou para as oitavas-de-final pela segunda vez na sua história, mesmo após perder o craque Sadio Mané para lesão antes da Copa do Mundo. Após cair na fase de grupos em 2018 no desempate com o Japão, por ter levado mais cartões amarelos, os senegaleses voltam a comemorar uma passagem para a fase mata-mata. A primeira e última vez havia sido em 2002, quando os Leões da Teranga chocou o mundo ao vencer a então campeã França em seu jogo de estreia em Copas do Mundo. O autor daquele gol, Papa Bouba Diop faleceu em 2020, aos 42 anos, por ironia do destino no mesmo 29 de novembro que hoje deixou feliz toda a nação africana.

Leia também:

PAÍS DE MALES

Gales chegou à Copa após passar pelas eliminatórias europeias e pela repescagem, na qual derrotou a Ucrânia. Carregando toda pressão de um país que voltava a uma Copa do Mundo após 64 anos, os galeses não conseguiram apresentar bom futebol em nenhum de seus jogos, e terminaram a campanha como últimos do grupo B. Pra fechar a participação no Catar, Gales ainda perdeu de 3 a 0 da Inglaterra, com dois gols de Marcus Rashford e um de Phil Foden. Os ingleses enfrentam Senegal nas oitavas-de-final.

FAZ FALTA?

Gols de falta estão cada vez mais raros no futebol, devido à especialização de goleiros e defensores e também com a popularização de jogadas ensaiadas que geralmente priorizam o cruzamento para a área. Nessa Copa apenas após dez dias de competição veio o primeiro gol de falta, e ele veio com os inventores do futebol. Marcus Rashford, jogador do Manchester United, foi o responsável pela bela batida que tirou qualquer chance do goleiro Ward, do País de Gales.

DESPEDIDAS

Equador, Irã e País de Gales se juntaram ao Catar e encerram sua participação na Copa do Catar. Os anfitriões perderam mais uma partida, dessa vez por 3 a 0 para a Holanda, e se 'consagraram' como a pior campanha realizada por um país-sede. A pior campanha anterior era da África do Sul, em 2010, que não passou para as oitavas-de-final por conta do saldo de gols, mas ainda assim arrancou 4 pontos em um grupo difícil, com México, Uruguai e França, deixando os franceses na lanterna.

SOCCER VAI ADIANTE

O confronto entre Irã e Estados Unidos era um dos mais esperados do dia, por conta de toda tensão política entre os dois países. Antes mesmo da bola rolar houveram acusações de ambos os lados, e logo ficou claro que a icônica cena acontecida no Mundial de 1998 não se repetiria. Naquele jogo os iranianos entregaram rosas brancas aos americanos em sinal de paz, contrariando ordens do líder supremo do país, Ali Khamenei, que não queria que a sua seleção se dirigisse em direção aos rivais.

Em 1998 na Copa do Mundo da França, jogadores iranianos (de vermelho) entregam rosas brancas para a seleção americana em sinal de paz. Foto: Nader Davoodi ATPImages/Getty Images
Em 1998 na Copa do Mundo da França, jogadores iranianos (de vermelho) entregam rosas brancas para a seleção americana em sinal de paz. Foto: Nader Davoodi ATPImages/Getty Images

No jogo de hoje, apesar da tentativa do Irã de que os Estados Unidos fossem excluídos da Copa por utilizar uma bandeira iraniana adulterada em suas redes sociais, os ânimos estavam bem mais contidos. Com gol de Pulisic os americanos ganharam e despacharam o Irã de volta para casa. Os Estados Unidos agora enfrentam a Holanda nas oitavas-de-final.