Convocações de Tite ganham uma pitada de política e treinador conquista a todos

Quando Tite assumiu a Seleção Brasileira no lugar do técnico Dunga o torcedor brasileiro já sabia que uma mudança estava por vir. Não que fosse esperado seis vitórias em seis jogos, 17 gols e apenas um sofrido, mas que do jeito que estava não ficaria.

Tite mudou pouco em relação ao time que Dunga vinha convocado, levou jogadores que faturaram a medalha de ouro nos Jogos do Rio e atletas de confiança. Mas logo de cara promoveu o retorno de Marcelo, unamidade na latral-esquerda mas que estava afastado da Canarinho pelo ex-treinador.

Por Raísa Simplicio 

Com isso, ele estava dando demonstrações claras de que na Seleção dele a palavra conflito estava no passado. Confirmou um pouco depois trazendo Thiago Silva de volta ao grupo, um dos melhores zagueiros do mundo não podia ficar de fora da Seleção.

Thiago Silva Brazil 08112016


(Foto: Pedro Martins / MoWa Press / Divulgação)

Em suas primeiras coletivas, o até então novo treinador também fez questão de valorizar o futebol nordestino, dizendo que haviam atletas que estavam sendo observados e citando conversas com treinadores de lá.

Depois de mostrar que com ele o conflito ficaria no passado e que Seleção é merecimento e, claro, com a tranquilidade pelo bom início Tite foi além. Trouxe Alex Muralha, um jogador do Flamengo não vestia a camisa da Seleção desde 2011. 

Alex estava numa boa fase, assim como todo o grupo mas sua convocação era discutível, bastante até, mas para maior torcida do Brasil foi importante. Era uma confirmação do bom momento da equipe e que eles estavam bem servidos a nível de elenco. 

Alex Muralha Brasil 07 10 16


(Foto: Pedro Martins / MoWa Press / Divulgação)

Se Tite já era visto com bons olhos pelos Rubro-Negros, passou a ser o treinadaor certo, convocou um jogador do Flamengo, sinal de que estava de olho no Rubro-Negro e consequentemente no futebol carioca. 

Ainda falando sobre a meta brasileira, muitos questionaram a manutenção de Alisson que não estava jogando com regularidade na Roma, mas foi mantido e não comprometeu nos jogos. Desta forma, Tite diz ao grupo que ninguém vai sair se estiver rendendo bem com a camisa da Seleção.

Willian, que caiu de rendimento, saiu para Coutinho, que veio num crescimento absurdo e deixou de ser promessa na Canarinho para se tornar um dos protagonistas do novo Brasil. Tudo dentro daquilo que se considera justo no futebol.

Diego Souza Brasil vs Colombia amistoso 25 01 2017


(Foto: Pedro Martins / MoWa Press / Divulgação)

Veio o amistoso contra a Colômbia e a mescla foi boa, a Seleção que só teve jogadores que atuam no futebol brasileiro teve uma boa mescla a termos de clube. Tinha para todos os gostos e, enfim, o futebol nordestino voltou ao cenário Canarinho com Diego Souza.

Agora, sem Gabriel Jesus Tite voltou a trazer Diego Souza, depois de 16 anos o futebol nordestino volta a servir um jogador para disputar um jogo de Eliminatória pela Seleção Brasileira. Será que o nordeste ama o Tite?

Dentro das suas convicções, criando competitividade saudável e fazendo a política da boa vizinha, Tite montou um time extremamente competitivo, que se mostra cada vez mais unido e com o aval do povo independente de suas escolhas.