Contrato com Adidas não garante material e Cruzeiro terá de pagar por uniformes

Yahoo Esportes
Camisas do Cruzeiro para a temporada 2020 (Divulgação)
Camisas do Cruzeiro para a temporada 2020 (Divulgação)

Poucas horas depois do lançamento das camisas do Cruzeiro assinadas pela Adidas, que serão utilizadas na temporada 2020, o conselho gestor que assumiu o controle do clube falou em romper o contrato com a fornecedora de material esportivo. O vínculo assinado pela antiga diretoria começará em 1º de janeiro e terá três anos de duração. Algumas cláusulas desagradaram o novo comando cruzeirense, entre elas uma que obriga o clube pagar por tudo aquilo que utilizar.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM
SIGA O YAHOO ESPORTES NO FLIPBOARD

Na prática, toda vez que o Cruzeiro entrar em campo, seja no futebol masculino, feminino ou na base, o uniforme terá um custo. Cada peça do enxoval será cobrada pela empresa alemã, que vai abater a conta dos royalties que a Raposa for receber pela venda de produtos com a sua marca.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O que faz o contrato entre Cruzeiro muito semelhante ao acordo do Vasco com a Diadora. Assim com a equipe cruzeirense, o time carioca paga por toda a peça que utiliza. Na temporada 2018, por exemplo, o Vasco recebeu apenas R$ 200 mil, depois de abatida a conta pelos uniformes utilizados durante a temporada. Assim como acontece com o Cruzeiro, o acordo com a Diadora foi assinado pela antiga diretoria vascaína, encabeçada pelo falecido Eurico Miranda. O atual presidente cruz-maltino, Alexandre Campello, também já manifestou o desejo de romper o vínculo atual, mas esbarra na multa rescisória, do contrato que tem duração até o fim de 2020.

Para suprir a demanda de todas as suas equipes, incluindo treinos, concentração, jogos e viagens, o Cruzeiro vai gastar entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões em material. As camisas são passadas para o clube com o preço de custo, não no valor final para o consumidor. Os novos uniformes da Raposa estarão à disposição dos torcedores a partir de quinta-feira, data do aniversário de 99 anos do clube. Cada camisa será vendida por R$ 249,90.

O fato de poder receber muito pouco, como aconteceu com o Vasco em 2018, ou até mesmo de ficar devendo para a Adidas, em caso de fracasso nas vendas, fez com que os gestores cruzeirenses cogitassem a possibilidade de buscar um novo fornecedor ou até mesmo a criação de uma marca própria, o que se tornou tendência no futebol brasileiro nas últimas temporadas, mas entre clubes de pequeno ou médio porte.

De acordo com o contrato assinado pela antiga gestão, encabeçada por Wagner Pires de Sá, mas com participação direta de Itair Machado, responsável pela chegada da Adidas à Toca da Raposa, o Cruzeiro só será remunerado por royalties. Dos valores referentes a 2020, cerca de R$ 2,5 milhões foram adiantados, para quitar salários atrasados, durante o Brasileiro.

Cruzeiro tinha R$ 6 milhões garantidos com a Umbro

Trocar o fornecedor de material esportivo da forma como aconteceu foi apenas para agradar ao torcedor. Era desejo antigo do cruzeirense o retorno da Adidas, que fez as camisas do clube durante um período nos anos 1980. Para atender essa vontade e fazer média com os torcedores, a gestão de Wager Pires de Sá e Itair Machado trocou um contrato que garantia R$ 6 milhões por ano ao clube por um acordo que o resultado positivo depende do sucesso na venda de produtos.

No contrato com a Umbro, que se encerra nesta terça-feira, o Cruzeiro tinha cerca de 40 mil peças garantidas pela empresa inglesa, para uso de todas as suas equipes, desde a base até o profissional. Além disso, o clube tinha um valor mínimo em dinheiro garantido de R$ 2,5 milhões. Podendo aumentar, de acordo com as vendas. Entre pagamento e uniformes cedidos, o Cruzeiro recebia cerca de R$ 6 milhões por temporada da Umbro.

Veja mais sobre futebol mineiro no Blog de Victor Martins

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também