Contra a Polônia, jogador da França burla regra da Fifa e Deschamps critica: 'Teve sorte'

Koundé atuou com cordão de metal contra a Polônia (Foto: ANDREJ ISAKOVIC / AFP)


O zagueiro Jules Koundé, da França, protagonizou uma cena curiosa no duelo contra a Polônia, válido pelas oitavas de final da Copa do Mundo do Qatar. Na vitória francesa por 3 a 1, o defensor foi advertido pelo árbitro por estar utilizando dois cordões de ouro, o que não é permitido pela Fifa.

+ Veja a tabela da Copa do Mundo 2022

O episódo ocorreu aos 42 minutos do primeiro tempo. O juiz paralisou o jogo e mandou o zagueiro, que atuou como lateral, retirar os acessórios do pescoço. Koundé contou com a ajuda da comissão técnica da França para retirá-los. O técnico da seleção francesa, Didier Deschamps, não gostou nem um pouco da atitude do jogador e o criticou em coletiva de imprensa.

- Eu até disse para ele: 'Você teve sorte que não estava na minha frente, senão...'. O árbitro nos disse que assim que o jogo parasse. Jogadores não podem usar pulseira ou cordão. Eles não começam jogando com relógio ou óculos de sol também. É proibido. Eu achei que ele tinha tirado, mas aparentemente não foi o caso, culpa nossa - declarou Deschamps após o jogo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ainda de acordo com o comandante da França, Koundé tem o hábito de utilizar os cordões nos treinamentos, como uma espécie de amuleto. Segundo a regra quatro do regulamento da International Football Association Board, o uso de joias como colares, anéis, pulseiras, ou brincos é proibido, visto que é considerado perigoso pela entidade.