Conselho Fiscal do Santos veta negócio com o Benfica por Veríssimo, mas assunto voltará a ser debatido

Fábio Lázaro
·2 minuto de leitura


O Conselho Deliberativo do Santos adiou a votação referente ao avanço do negócio pelo zagueiro Lucas Veríssimo ao Benfica (POR), após o Conselho Fiscal reprovar o negócio.

Os Encarnados solicitaram o empréstimo de um ano pelo defensor, com obrigatoriedade de compra por 6,5 milhões de euros (R$ XX mi) a partir de janeiro de 2022 em cinco parcelas. A proposta não foi considerada boa pelo Comitê Gestor, mas foi a que mais agradou o atletas, que sonha em atuar no futebol europeu - a proposta que mais agradou a direção santista foi do Al-Nassr (SAU), que ofereceu 3,5 milhões de dólares (R$ 18,6 reais) no momento da compra e mais R$ 3 milhões (R$ 15,9 milhões) na apresentação do atleta, em janeiro, mas Veríssimo não tem o interesse em se transferir ao mundo árabe.

Através de um grupo de investimento belga, o Peixe conseguiria a antecipação do valor, pagando uma comissão de 15%, restando 5,1 milhões de euros (R$ 32,2 mi) aos cofres santistas, que também teriam que repassar 20% do valor ao própria atleta, que detém parte do seu passe. O dinheiro seria utilizado para colocar salários e direitos de imagem em dia, já que o Alvinegro acumula quatro meses de atraso com alguns jogadores, além de negociar dívidas, principalmente com o Atlético Nacional (COL), que bane o Peixe de registrar novos atletas, por conta da inadimplência do pagamento pela contratação do zagueiro Felipe Aguilar, vendido ao Athletico-PR em março. A dívida atual gira em torno de R$ 7 milhões.

Com a negativa do avanço do negócio, o presidente em exercício do Santos, Orlando Rollo, insistiu na importância de um desfecho positivo, alegando que o Santos não tem mais receitas na temporada e, com isso, poderia até mesmo perder atletas gratuitamente, devido a atrasos salariais. Com isso, embasado no artigo 91 do Estatuto Social do Santos, ficou decido nos próximos dias o Comitê Gestor enviará mais detalhes sobre a proposta do Benfica, com possível aperfeiçoamento.

Toda movimentação de atletas, dentro de um prazo de três meses antes das eleições, precisa da anuência dos conselheiros. O pleito presidencial do Alvinegro acontecerá no dia 12 de dezembro.