Consórcio assume Pacaembu com apenas 1 jogo previsto no Paulista

CARLOS PETROCILO
Folhapress
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.09.2019 - Vista aérea do estádio do Pacaembu, na região central de São Paulo, que deverá ficar fechado por ao menos dois anos para reformas, a partir do 1º semestre do ano que vem. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.09.2019 - Vista aérea do estádio do Pacaembu, na região central de São Paulo, que deverá ficar fechado por ao menos dois anos para reformas, a partir do 1º semestre do ano que vem. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Segunda casa de Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo, o estádio do Pacaembu estará sob nova direção a partir deste sábado (25).

A final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, às 10h, marcará a passagem oficial da administração do local da prefeitura da capital para o consórcio Allegra Pacaembu.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Ainda é uma incógnita, porém, se partidas profissionais de futebol continuarão a ser eventos frequentes no estádio. Até o momento, há apenas um jogo do Campeonato Paulista de 2020 previsto para o local.

A agenda vazia contrasta com a realidade do palco que recebeu em média 14 partidas por edição do Estadual de 2011 a 2019.

Impossibilitado de usar o Allianz Parque por causa da implementação de grama sintética, o Palmeiras foi o único clube que alugou o Pacaembu para 2020 até agora. Será lá que a equipe de Vanderlei Luxemburgo receberá o Oeste, na próxima quarta (29), pela terceira rodada da competição.

Antes, porém, a agremiação havia negociado com o consórcio para mandar o clássico deste domingo (26) contra o São Paulo no estádio, mas considerou a proposta alta e optou pela Arena Fonte Luminosa, em Araraquara.

A reportagem apurou que o Palmeiras teria que desembolsar R$ 400 mil no total, incluindo taxa de locação e despesas como quadro móvel (diárias aos funcionários que dão expediente no estádio), locação de geradores e colocação de grades divisórias, entre outras.

A gestão privada também não abre mão de explorar as vendas de comida e bebida no local. Para o confronto contra o Oeste, no entanto, aceitou reduziu os gastos da locação para R$ 100 mil.

A Allegra tem como parceiros as redes alimentícias Bob's e Patroni Pizza. Na época da gestão municipal, os clubes pagavam R$ 11,7 mil como taxa fixa à prefeitura para utilizar a lanchonete.

"Isso remonta à nossa preocupação de oferecer serviço de alto nível ao torcedor. Como o clube apenas locava, cada um operava da sua forma. Queremos padronizar a operação", disse o diretor-presidente do consórcio Allegra,  Eduardo Barella, que admite dificuldades para negociar o empréstimo do Pacaembu. "Estamos discutindo caso a caso essa padronização. Há clubes que operam bem."

No ano passado, a taxa de locação do local sob gestão da prefeitura tinha um teto de R$ 100 mil, aplicado para jogos noturnos, e um mínimo de R$ 36 mil.

Em março, após alagamento nos vestiários do Morumbi, o São Paulo recorreu ao Pacaembu e pagou R$ 80,2 mil para receber o Palmeiras, além de R$ 34 mil para o uso da lanchonete e do quadro móvel.

"Estamos tentando atrair a quantidade [de partidas] do ano passado", afirmou Barella. "É muito importante receber o maior número de jogos, o que move o Pacaembu é o futebol, e não queremos diminuir essa importância."

Em 2019, foram 14 confrontos no local, sendo que 10 já estavam previstos na tabela antes de o Paulista começar. O regulamento da Federação Paulista de Futebol possibilita ao time anfitrião mudar o local da partida com dez dias de antecedência.

O Palmeiras só deverá contar com o Allianz Parque a partir do fim de fevereiro. O clube alviverde, que por contrato precisa ceder o estádio para a administradora WTorre realizar shows e outros eventos, tem interesse em estreitar a sua relação com a Allegra.

Ainda assim, espera recorrer menos ao Pacaembu com a instalação da grama sintética, que permitiria uma recuperação mais rápida do gramado após os eventos.

Inaugurado em 1940, o Pacaembu foi a casa do Corinthians para receber 42 jogos pelo estadual de 2011 a 2014, ano de inauguração do Itaquerão. A partir de então, o time alvinegro foi mandante no Pacaembu em somente três ocasiões, enquanto sua arena passava por manutenção do gramado.

Procurados, Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo não se pronunciaram oficialmente.

Levantamento da reportagem no site da FPF mostra que o estádio sediou 130 confrontos pelo Campeonato Paulista de 2011 a 2019.

Além dos 45 do Corinthians, o Palmeiras mandou 44 duelos, o Santos, 19, e o São Paulo, 14. Portuguesa (duas vezes), São Caetano, Bragantino, Red Bull, Audax, Ituano e Santo André também mandaram jogos no local pela competição.

Além do futebol, o consórcio pretende atrair a população para outros eventos esportivos e sociais. A partir deste sábado, a população poderá fazer uma carteirinha virtual, pelo site www.allegrapacaembu.com.

Em fevereiro será lançado o Paca Kids, um espaço dentro do estádio para a realização de festas infantis, e o Paca Tour, no qual visitantes poderão caminhar pelo vestiário, túnel e gramado.

Também está prevista a demolição do tobogã, setor com ingressos mais baratos,  para a construção de um edifício multiúso, com lojas, escritórios e bares. O estádio deverá ficar fechado por dois anos, a partir de dezembro de 2020, para tais intervenções.

Leia também