Conmebol se solidariza com Cavani, sancionado na Inglaterra por usar a palavra "negrito"

·2 minuto de leitura
(ARQUIVO) Nesta foto tirada em 29 de dezembro de 2020, o atacante uruguaio do Manchester United Edinson Cavani aparece durante a partida da Premier League contra o Wolverhampton em Old Trafford, em Manchester

O atacante uruguaio do Manchester United, Edinson Cavani, recebeu a solidariedade da Conmebol depois de ser punido com três jogos de suspensão pelo campeonato inglês por usar a palavra "negrito" em suas redes sociais.

"A Conmebol expressa sua solidariedade ao jogador Edinson Cavani, sancionado pela Federação Inglesa de Futebol", disse a nota da entidade que comanda o futebol sul-americano.

"A medida disciplinar para o jogador da seleção uruguaia claramente não leva em consideração as características culturais e o uso de certos termos na fala cotidiana do Uruguai", afirmou a carta divulgada nesta terça-feira.

Cavani, de 33 anos, usou a expressão "Gracias, negrito" em suas redes sociais ao agradecer ao elogio por sua atuação em uma partida disputada por seu time, o Manchester United, no dia 29 de novembro, contra o Wolverhampton (3-2), em que marcou dois gols e deu assistência para o terceiro.

A resposta foi considerada "racista" pela comissão disciplinar da Federação Inglesa que o sancionou com três partidas de suspensão e uma multa de 100.000 libras esterlinas (137.800 dólares).

"O julgamento deste tipo de declarações no âmbito de um processo que pode levar a penalidades para o atleta e que afetam a sua reputação e bom nome, deve ser sempre efetuado levando em conta o contexto em que foram feitas e, sobretudo, as peculiaridades culturais do cada jogador e de cada país", explica a Conmebol.

A organização esportiva sul-americana esclareceu que condena "com a maior energia qualquer manifestação racista ou discriminatória, mas o caso específico pelo qual Cavani foi sancionado não constitui uma delas", disse.

Ao saber que foi sancionado, Cavani pediu desculpas em suas redes.

A associação de jogadores do Uruguai e a federação do Uruguai saíram em defesa do atacante da seleção celeste, assim como a academia de letras do país.

hro/ol/aam