Conmebol pede que polêmicas em torno do Catar fiquem de lado durante a Copa

Após a Fifa ter pedido às seleções que "foquem no futebol" na Copa do Mundo no Catar, a Conmebol seguiu os mesmos passos nesta segunda-feira ao insistir que as polêmicas em torno do país sede sejam deixadas de lado para que o mundo possa "desfrutar" o torneio.

A duas semanas do início do Mundial, o Catar está no centro de uma nova polêmica por uma investigação publicada pelo jornal britânico The Sunday Times que afirma que jornalistas, advogados, políticos e personalidades, como o ex-presidente da Fifa Michel Platini, foram contratados para proteger a reputação do emirado.

"Chegou o momento de deixar para trás as controvérsias e polêmicas e valorizar e desfrutar de uma verdadeira festa ecumênica, ansiosamente aguardada por todo o planeta", diz o comunicado da Conmebol.

A federação sul-americana defendeu a organização do evento na pequena, porém rica nação do Oriente Médio, dotada de "magníficos cenários esportivos".

"A Copa do Mundo do Catar é a melhor oportunidade para consolidar os valores em que se baseia o futebol. Por sua abrangência, prestígio e tradição, a Copa do Mundo multiplica o impacto positivo desses valores", explicou a nota.

A Conmebol disse que espera que o futebol "não seja manchado ou distorcido com visões tendenciosas e parciais" e que a Copa do Mundo no Catar seja um exemplo para as novas gerações.

"Vamos abrir campo a esses valores e deixar que eles sejam protagonistas durante essa Copa", continua.

A entidade destacou que o esporte em geral e o futebol, em particular, transmitem uma mensagem "poderosa" ao transcender "as disputas políticas ou ideológicas, os desacordos conjunturais e os conflitos pontuais. É uma mensagem carregada de otimismo, tolerância, inclusão, diversidade e união".

hro/gfe/yr/cb