Engraçada, família e bailarina: conheça Renata Silveira além da Copa do Mundo

Renata Silveira na cobertura da Copa do Mundo (Foto: João Cotta/Globo)
Renata Silveira na cobertura da Copa do Mundo (Foto: João Cotta/Globo)

Primeira mulher a narrar um jogo de Copa do Mundo na TV aberta, Renata Silveira é o momento nas redes sociais. A jornalista esportiva tem sido muito elogiada por seu desempenho na transmissão da Globo. Com isso, o público tem ficado cada vez mais curioso para saber detalhes da vida dela além da profissão.

Muito família

Renata é casada com o empresário Leandro Guimarães. Os dois têm um filho, Bernardo, de apenas 8 anos. A família adora viajar. No Instagram, Renata compartilha com seus seguidores alguns "momentos de turista". Entre os cliques, encontramos passagens por Paris, Londres, Portugal e diversos destinos brasileiros, como as Cataratas do Iguaçu, no Paraná, e a Região dos Lagos, no Rio de Janeiro.

Dona de academia

Nas horas livres, a jornalista gosta de treinar. Renata é dona de uma academia e sempre posta vídeos e fotos dos seus exercícios. Brincalhona com o filho, ela costuma fazer publicações engraçadas comparando seus momentos de treino com os de diversão de Bernardo.

Muito divertida

Por falar no filho, a narradora o incentiva a praticar esportes e não reclama quando o herdeiro se suja brincando. "Ser criança é a melhor parte das nossas vidas e quero que ele não perca isso, BRINCAR é essencial", disse ela em uma postagem.

Renata gosta de fazer dublagens, trollagens com Bernardo e até apostar em looks divertidos nas redes sociais. Trabalhar ao lado dela deve ser a garantia de boas risadas.

Bailarina profissional

Uma curiosidade interessante sobre Renata é sua relação com a dança. Ela é bailarina profissional e até oferece bolsas de balé clássico em um projeto social que mantém em Bonsucesso. Em suas redes sociais existem diversas fotos da jornalista se apresentando em palcos importantes. Ao jornal O Globo, ela falou sobre a experiência.

"Sou bailarina com DRT e tudo. A academia nasceu em 2015 e a gente nunca teve dúvida de que o melhor lugar para instalá-la era no nosso lugar, na nossa vizinhança. Temos turmas de balé, jazz, hip hop, entre outras danças. As bolsas do nosso projeto social são de balé clássico para meninas e meninos, entre 9 e 12 anos, que as famílias não podem pagar a mensalidade. Em 2023, a ideia é abrir mais uma turma do projeto social", afirmou.