Conheça a artista japonesa com esquizofrenia homenageada na cerimônia de abertura

·1 minuto de leitura
Yayoi Kusama foi homenageada na abertura da Olimpíada (AP Photo/Itsuo Inouye)
Yayoi Kusama foi homenageada na abertura da Olimpíada (AP Photo/Itsuo Inouye)

A cerimônia de abertura da Olimpíada de Tóquio, realizada nesta sexta-feira no Estádio Olímpico, trouxe elementos típicos da cultura japonesa e homenageou, entre outros, uma artista bastante conhecida no país: Yayoi Kusama.

Já no início do evento, um jogo de luzes com feixes vermelhos criou desenhos e fez referência ao trabalho da renomada artista de 92 anos.

Leia também:

Kusama foi assunto no Brasil em 2014. Na ocasião, a artista conhecida por seu estilo de experiências imersivas e utilização de pequenas bolas em pinturas teve seu trabalho exposto em São Paulo, pelo Instituo Tomie Ohtake, Rio de Janeiro e Brasília, ambos pelo CCBB.

Como os atletas terão de superar limites físicos para competir em Tóquio, Kusama enfrentou obstáculos complicadíssimos para ser reconhecida como arista. Afinal, há três décadas vive em uma instituição psiquiátrica.

A mulher foi diagnosticada com esquizofrenia e há, inclusive, quem diga que a doença está refletida em sua arte.

Nascida em Nagano, em 1929, Kusama viveu por anos nos Estados Unidos, onde enfrentou outro empecilho: o sexismo. Ela teria sido, inclusive, plagiada por artistas homens famosos, que teriam ficado com o reconhecimento pela arte da japonesa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos