Conheça qualidades e defeitos do Atlético Tucumán, adversário do Palmeiras

GOAL

Por Allan Brito 

Apesar de ser um clube antigo, fundado em 1902, o Atlético Tucumán é pouco conhecido no Brasil. É um time acostumado a ficar na segunda divisão e nunca tinha disputado uma competição internacional até este ano. Em sua estreia, já começou a fazer a bonito e agora enfrentará o Palmeiras, nesta quarta-feira (8), às 21h45 (de Brasília), na Argentina.

O Tucumán se classificou para a Copa Libertadores porque a Conmebol resolveu ampliar o número de times participantes. Então a quinta colocação no Campeonato Argentino de 2016 serviu para colocar o time na segunda fase da competição.

Mas poucos esperavam que o Tucumán pudesse chegar na fase de grupos. E a surpresa veio de forma épica. Após empatar com o Nacional-EQU, por 2 a 2, em casa, o time passou por uma aventura antes do jogo de volta: o voo para o Equador atrasou, e o time chegou sem uniformes ao estádio. Mas houve liberação para o Tucumán usar as camisetas e shorts da seleção argentina Sub-20, que disputava o Sul-Americano no Equador. E mesmo dessa forma improvisada, na base da raça e vontade, o time venceu por 1 a 0. Na terceira fase, sem tanto sufoco, o Tucumán eliminou o Junior Barranquilla por 3 a 2 no placar agregado.

El Nacional Atletico Tucuman


Tucumán comemora com o uniforme da Argentina (Foto: Getty Images) 

Tudo isso mexeu com a torcida do Tucumán, que tem feito grandes festas no Monumental José Fierro. A pressão do local é uma das maiores armas do time. Ex-jogador do time, o lateral Buffarini, hoje no São Paulo, destacou esse ponto: "é um estádio muito complicado, com um vestiário é complicado. As pessoas ficam muito perto. Você vai chutar um escanteio, as pessoas te agarram", afirmou ele em entrevista à Espn Brasil.

Outro ponto forte do Tucumán é ter um time base que joga há muito tempo junto e, portanto, está bem entrosado. Como descreve Martín Burgos, jornalista da Goal Argentina, é um elenco inexperiente, sem renome, mas com muito vontade de vencer: "é uma equipe com escasso talento individual, com jogadores pouco conhecidos até para o torneio argentino. Só são conhecidos Christian Lucchetti, que passou (mal) pelo Boca Juniors, e Cristian Menéndez, que jogou um pouco no Independiente. O resto são jogadores que vieram do acesso e outros que foram emprestados porque estavam sem lugar nos seus clubes de origem. Mas tem algo que é muito útil: a fome de glória".

Martin elegeu três protagonistas do time: "Zampedri, o goleador que chegou da segunda divisão; o meio-campista Rodrigo Aliendro; e o atacante Luis Rodríguez, conhecido como "El Pulga" (assim como Messi, mas mal alimentado)".

Técnico do Palmeiras, Eduardo Baptista acredita que o Tucumán também terá como arma o futebol de contato e as provocações: "se precisar ir para o contato, vamos para o contato também. Tem de ter cuidado com provocação. Se tiver que fazer a falta, faz e dá as costas. Não dá margem para provocação, porque eles vão procurar tirar um jogador nosso do jogo".

Pablo Lavallen San Martin San Juan 2016


Pablo Lavallén está em situação parecida com a de Eduardo Baptista (Foto: Getty Images)

Entre os defeitos do Tucumán, está algo que foge do controle do time: o Campeonato Argentino ficou paralisado por causa de uma greve dos atletas e, portanto, as equipes estão sem ritmo de jogo. O Tucumán, por já ter feito quatro partidas pela Libertadores, sofre um pouco menos com isso. Mas admite que isso pode atrapalhar. Por enquanto, a equipe está na 15ª posição, com um jogo a menos que as outras.

Existe também um problema do Tucumán que é semelhante ao que vive o Palmeiras hoje: o técnico, Pablo Lavallén, é um jovem (44 anos) que tem pouca experiência e assumiu a equipe há pouco tempo. Treinador do Verdão, Baptista tem 46 e também comanda o Palmeiras há poucos meses. Portanto ambos estão sob desconfiança. 

O Atlético Tucumán que deve enfrentar o Palmeiras tem Cristian Lucchetti; Leonel Di Plácido, Bruno Bianchi, Ignacio Canuto, Fernando Evangelista; Rodrigo Aliendro, Guillermo Acosta, Nery Leyes, David Barbona (Leandro González); Cristian Menéndez e Fernando Zampedri.Além de Palmeiras e Tucumán, o Grupo 5 também é formado por Jorge Wilstermann-BOL e Peñarol-URU, que se enfrentarão nesta terça-feira, na Bolívia, às 19h30 (de Brasília).