Conheça qualidades e defeitos do Atlético Tucumán, adversário do Palmeiras

Goal.com
GOAL
GOAL

Por Allan Brito 

Apesar de ser um clube antigo, fundado em 1902, o Atlético Tucumán é pouco conhecido no Brasil. É um time acostumado a ficar na segunda divisão e nunca tinha disputado uma competição internacional até este ano. Em sua estreia, já começou a fazer a bonito e agora enfrentará o Palmeiras, nesta quarta-feira (8), às 21h45 (de Brasília), na Argentina.

O Tucumán se classificou para a Copa Libertadores porque a Conmebol resolveu ampliar o número de times participantes. Então a quinta colocação no Campeonato Argentino de 2016 serviu para colocar o time na segunda fase da competição.

Mas poucos esperavam que o Tucumán pudesse chegar na fase de grupos. E a surpresa veio de forma épica. Após empatar com o Nacional-EQU, por 2 a 2, em casa, o time passou por uma aventura antes do jogo de volta: o voo para o Equador atrasou, e o time chegou sem uniformes ao estádio. Mas houve liberação para o Tucumán usar as camisetas e shorts da seleção argentina Sub-20, que disputava o Sul-Americano no Equador. E mesmo dessa forma improvisada, na base da raça e vontade, o time venceu por 1 a 0. Na terceira fase, sem tanto sufoco, o Tucumán eliminou o Junior Barranquilla por 3 a 2 no placar agregado.

El Nacional Atletico Tucuman
El Nacional Atletico Tucuman


Tucumán comemora com o uniforme da Argentina (Foto: Getty Images) 

Tudo isso mexeu com a torcida do Tucumán, que tem feito grandes festas no Monumental José Fierro. A pressão do local é uma das maiores armas do time. Ex-jogador do time, o lateral Buffarini, hoje no São Paulo, destacou esse ponto: "é um estádio muito complicado, com um vestiário é complicado. As pessoas ficam muito perto. Você vai chutar um escanteio, as pessoas te agarram", afirmou ele em entrevista à Espn Brasil.

Outro ponto forte do Tucumán é ter um time base que joga há muito tempo junto e, portanto, está bem entrosado. Como descreve Martín Burgos, jornalista da Goal Argentina, é um elenco inexperiente, sem renome, mas com muito vontade de vencer: "é uma equipe com escasso talento individual, com jogadores pouco conhecidos até para o torneio argentino. Só são conhecidos Christian Lucchetti, que passou (mal) pelo Boca Juniors, e Cristian Menéndez, que jogou um pouco no Independiente. O resto são jogadores que vieram do acesso e outros que foram emprestados porque estavam sem lugar nos seus clubes de origem. Mas tem algo que é muito útil: a fome de glória".

Martin elegeu três protagonistas do time: "Zampedri, o goleador que chegou da segunda divisão; o meio-campista Rodrigo Aliendro; e o atacante Luis Rodríguez, conhecido como "El Pulga" (assim como Messi, mas mal alimentado)".

Técnico do Palmeiras, Eduardo Baptista acredita que o Tucumán também terá como arma o futebol de contato e as provocações: "se precisar ir para o contato, vamos para o contato também. Tem de ter cuidado com provocação. Se tiver que fazer a falta, faz e dá as costas. Não dá margem para provocação, porque eles vão procurar tirar um jogador nosso do jogo".

Pablo Lavallen San Martin San Juan 2016
Pablo Lavallen San Martin San Juan 2016


Pablo Lavallén está em situação parecida com a de Eduardo Baptista (Foto: Getty Images)

Entre os defeitos do Tucumán, está algo que foge do controle do time: o Campeonato Argentino ficou paralisado por causa de uma greve dos atletas e, portanto, as equipes estão sem ritmo de jogo. O Tucumán, por já ter feito quatro partidas pela Libertadores, sofre um pouco menos com isso. Mas admite que isso pode atrapalhar. Por enquanto, a equipe está na 15ª posição, com um jogo a menos que as outras.

Existe também um problema do Tucumán que é semelhante ao que vive o Palmeiras hoje: o técnico, Pablo Lavallén, é um jovem (44 anos) que tem pouca experiência e assumiu a equipe há pouco tempo. Treinador do Verdão, Baptista tem 46 e também comanda o Palmeiras há poucos meses. Portanto ambos estão sob desconfiança. 

O Atlético Tucumán que deve enfrentar o Palmeiras tem Cristian Lucchetti; Leonel Di Plácido, Bruno Bianchi, Ignacio Canuto, Fernando Evangelista; Rodrigo Aliendro, Guillermo Acosta, Nery Leyes, David Barbona (Leandro González); Cristian Menéndez e Fernando Zampedri.Além de Palmeiras e Tucumán, o Grupo 5 também é formado por Jorge Wilstermann-BOL e Peñarol-URU, que se enfrentarão nesta terça-feira, na Bolívia, às 19h30 (de Brasília).

 

 

Leia também