Conheça Márcio Freire, surfista brasileiro que morreu em Nazaré

Márcio Freire fez parte do trio de surfistas baianos conhecido como "Mad Dogs" (Reprodução/Instagram)


O surfista baiano Márcio Freire, morto nesta quinta-feira após sofrer queda em Portugal, foi um apaixonado pelo surfe e por grandes desafios. Ao lado dos também baianos Danilo Couto e Yuri Soledade, formou o trio conhecido como "Mad Dogs" (Cachorros Loucos em português), que desbravava ondas gigantes sem os devidos equipamentos de segurança.

A história do trio de surfistas despertou tanta atenção que virou documentário em 2015. Com direção de Roberto Studart e narração do ator "global" Vladimir Brichta, amigo dos três protagonistas, "Mad Dogs" contou a trajetória dos baianos que deixaram Salvador em busca de realizar o sonho de surfar no Havaí.

+ Endrick e outros brasileiros na lista: veja as 50 maiores promessas do futebol mundial

O apelido de "Mad Dogs" veio de uma gíria do estado norte-americano, utilizada para exaltar surfistas capazes de superar qualquer barreira, ainda que pareçam loucos por isso.

E, no caso de Márcio, a "loucura" era acompanhada de paixão. O surfista quase nunca ganhou dinheiro com o esporte e praticamente não participou de circuitos profissionais. Em entrevista à "Red Bull", ele falou sobre o sentimento que o movia no começo da trajetória no Havaí.

- Não tínhamos segurança nenhuma. Era pura coragem guiada pela vontade de descer uma onda enorme. Os riscos eram muitos sem uma segurança devida. Se acontecesse algum acidente, seria o fim da jornada. Nada nos forçou a fazer o que fizemos. Era tudo pra nós mesmos, para a nossa satisfação pessoal. Eu, por exemplo, nunca tive patrocínio ou dinheiro envolvido na minha jornada - contou.

+ Entenda o estado atual de saúde de Damar Hamlin, internado após forte choque durante partida

Quando Márcio visitou o Havaí pela primeira vez, em 1998, tinha apenas 23 anos. Freire e os amigos foram alguns dos primeiros surfistas a encarar as ondas gigantes chamadas de "Jaws" sem os equipamentos de segurança.

A paixão do baiano pelo surfe se manteve acesa durante todos esses anos. Ele continuou encarando ondas gigantes do mundo inteiro, quase sempre compartilhando registros das viagens nas redes sociais.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

+ Quando começa o campeonato mundial de surfe? Veja calendário com datas das etapas da WSL

Aos 47 anos, Márcio Freire não resistiu a uma queda na Praia do Norte, conhecida pelas ondas que frequentemente ultrapassam os 15 metros de altura, em Portugal. O surfista chegou a ser socorrido por um jet-ski, mas os procedimentos médicos não foram suficientes para evitar a morte decorrente de uma parada cardiorrespiratória.