Conflito em Camarões ameaça local escolhido para sede da Copa Africana de Nações

·1 min de leitura
Troféu da Copa Africana de Nações na final de 2019 em Cairo, no Egito

Por Josiane Kouagheu

LIMBE, Camarões (Reuters) - Carreatas de veículos blindados estão patrulhando as ruas de Limbe, na região sudoeste de Camarões, marcada por conflitos, antes da Copa Africana de Nações, que começa no dia 9 de janeiro e que os militantes separatistas já prometeram interromper.

Camarões está sediando o torneio em seis cidades, mas a maior ameaça potencial à segurança está em Limbe, uma cidade na costa tropical do Atlântico cuja região ao redor tem sido estremecida por ataques armados desde o início de uma guerra em 2017.

O conflito, no qual grupos armados tentam formar um país separado com o nome de Ambazonia, já deixou pelo menos 3 mil mortos e forçou o deslocamento de mais de 1 milhão de pessoas.

A violência piorou no último ano com o aumento do uso de explosivos improvisados pelos separatistas.

"Meu temor é que esse fenômeno recente de explosões de bombas que tem acontecido em outras partes possa ser um fenômeno comum durante o período da Copa Africana de Nações", disse o jornalista local Honore Kuma.

A insegurança é apenas uma das questões enfrentadas pela organização do torneio. Preocupações com a finalização das obras nos estádios e com a propagação da variante Ômicron do coronavírus também chegaram às manchetes nas últimas semanas.

O Omnisport Stadium de Limbe irá receber partidas do Grupo F da competição, que inclui Tunísia, Mali, Mauritânia e Gâmbia. O primeiro jogo do grupo é entre Tunísia e Mali, no dia 12 de janeiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos