Comrades Marathon não terá largada neste domingo. Só em 2021

Iúri Totti
LANCE!


A icônica Comrades Marathon não vai acontecer neste domingo (14). Só em 2021, quando a "mãe das ultramaratonas" completa 100 anos. Essa é a primeira vez, nos últimos 75 anos, que a largada, com cerca de 20 mil corredores de todo o mundo, não será realizada. Se entre 1941 e 1945, a prova de 89,9km, entre Durban e Pietermaritzburg, na África do Sul, não ocorreu por causa da Segunda Guerra Mundial, o motivo deste ano é a pandemia da Covid-19.

A Comrades Marathon Association (CMA) relutou muito em mudar a data, mas teve que aceitar, há quase um mês, os argumentos do governo sul-africano sobre os riscos de realizar a prova, pois a Covid-19 ainda está no auge na África do Sul. Os números do país, no dia 7 de junho, eram de 55.421 casos confirmados e 1.210 mortes. Mesmo nos dias mais sombrios do regime do apartheid no país, a Comrades foi um dos poucos eventos esportivos em que não havia a terrível segregação racial.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A CMA ainda tentou convencer a Athletics South Africa (ASA), órgão do governo que comanda o atletismo na África do Sul, de fazer a prova o mais tardar em setembro de 2020, mas o clima quente ameaçaria a segurança dos corredores.

"Cancelar a que seria a 95ª edição da Comrades foi uma decisão longa e árdua de ser tomada", disse o presidente da ASA, Alex Skhosana. “Com a rica história da corrida, seus poderosos atributos de construção da nação e sua contribuição para a coesão social, bem como seu imenso impacto econômico, seria prematuro acelerar o cancelamento mais cedo. No entanto, acreditamos que chegamos à decisão correta de proteger a saúde e a segurança de todos os envolvidos, bem como a vida de nossos companheiros sul-africanos”.

A presidente da CMA, Cheryl Winn, também lamentou o cancelamento.

“É com profunda tristeza e pesar que o Conselho da CMA, em conjunto com a ASA, teve que tomar essa decisão", explicou ela. “Esperávamos adiar a Comrades para uma data até o final de setembro, mas teríamos problemas com as condições climáticas. A pandemia da Covid-19 também não está mostrando sinais de diminuição e a estimativa é que seu pico será nos próximos meses. Por isso, cabe a CMA priorizar a saúde, a segurança e bem-estar de nossos atletas e voluntários, entre outros envolvidos. Lamentavelmente, não realizaremos a edição deste ano do principal evento de corrida do país".

“Por mais triste que seja, como a CMA agora podemos voltar nosso foco para a realização de nossas celebrações para os 100 anos da prova no próximo ano. E uso o tema desta edição que foi cancelada: 'Iphupho Lami (Ousar é um sonho)”, disse Winn.

A história da Comrades

A Comrades Marathon foi criada em 1921 pelo britânico Vic Clapham, um ex-combatente da Primeira Guerra Mundial, como forma de homenagear aos soldados mortos em batalhas. A primeira edição teve a participação de 34 corredores, mas somente 16 conseguiram finalizar o percurso. A vitória foi do sul-africano Bill Rowan, com 8h59m.

Com 30 participações, o sul-africano Bruce Fordyce é considerado o Rei da Comrades. Foi campeão em nove oportunidades, sendo oito vitórias consecutivas, entre 1981 e 1988, e a última em 1990. Em 1986, quando a prova foi no sentido de descida, ele conseguiu a marca de 5h24m07, recorde que perdurou por 21 anos. Na sua 30ª Comrades, em 2012, aos 56 anos, ele fechou o percurso em 8h06m10s.

O recorde atual é do também sul-africano David Gatebe, com 5h18m19s, em 2016. A melhor marca no sentido de subida é do russo Leonid Shvetsov, com 5h24m39s, em 2008.

Outra importante prova sul-africana, a ultra Two Oceans, também foi cancelada este ano por causa do novo coronavírus. Disputada em Cape Town, com 56km, passando pelas costas dos oceanos Índico e Atlântico, os organizadores já agendaram a prova, que reúne cerca de 11 mil corredores, para 3 de abril. O Campeonato Nacional da ASA também foi cancelado devido ao impacto do Covid-19.


Leia também