Como um tweet causou uma crise política global envolvendo a NBA

Colaboradores Yahoo Esportes
Dwight Howard comemorando com Daryl Morey após vitória. (Foto: Scott Halleran/Getty Images)
Dwight Howard comemorando com Daryl Morey após vitória. (Foto: Scott Halleran/Getty Images)

No último domingo, Daryl Morey, gerente geral do Houston Rockets, resolveu publicar no Twitter uma imagem de apoio aos protestos de Hong Kong, que têm lutado contra uma proposta que permitiria que pessoas fossem extraditadas de lá para a China. Conhecida por ser a liga bastante ativa socialmente, e um ambiente em que isso seria bem recebido, a NBA, porém, se viu em meio a uma crise política grande, e que pode ter ramificações importantes no futuro próximo.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM

Rapidamente após a publicação, Morey apagou o tweet por perceber o que havia causado. As respostas dos fãs de NBA na China foram bastante negativas, principalmente para uma franquia como os Rockets que é a que mais tem ligação direta com o mercado chinês, desde que selecionou Yao Ming no Draft de 2002. Desde então, o time se tornou um dos mais populares por lá, com muita audiência e até jogaram em várias temporadas com camisas comemorativas escritas em chinês.

Leia também:

Tanto da parte da diretoria (o dono Tilman Fertitta) quanto dos jogadores (o astro James Harden), os Rockets tentaram melhorar a situação, dizendo que amam os chineses, que a franquia não é uma organização política e o próprio Morey disse que não quis ofender ninguém. No entanto, isso não evitou uma revolta bem grande no país mais populoso do mundo.

As coisas ficaram ainda piores pelo fato de a NBA estar organizando jogos entre equipes chinesas e da própria liga, com o Guangzhou Long-Lions indo a Washington enfrentar os Wizards, e o Los Angeles Lakers e o Brooklyn Nets jogando em Xangai na quinta-feira. Os Nets, inclusive, chegaram a ter um evento de caridade na cidade cancelado por conta do descontentamento chinês com a liga.

A promessa do comissário da NBA, Adam Silver, é conversar com Yao Ming, atualmente presidente da confederação chinesa de basquete, e que poderia ajudar a liga a não perder um mercado tão grande e importante. Os investimentos chineses na liga são grandes, e a NBA diz que 800 milhões de chineses tiveram contato com a liga na temporada passada. São bilhões de dólares que estão em jogo, já que canais de televisão ameaçam não transmitir jogos.

Caso as relações da liga com a China - que acontecem desde os anos 1980 - acabassem, o efeito poderá ser sentido até pelos jogadores, já que o teto salarial é estabelecido de acordo com o quanto a NBA lucra.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter |Flipboard |Facebook |Spotify |iTunes |Playerhunter